Exposição Segall Brasil – 1913-2013 – 60 fotografias do acervo

0

Para marcar o centenário da primeira exposição realizada por Lasar Segall no Brasil, o Museu Lasar Segall está em cartaz com a exposição “Segall Brasil – 1913-2013 – 60 fotografias do acervo”.

A exposição de fotografias traz 60 imagens que retratam o cotidiano em família, seu ambiente de trabalho, a convivência com artistas e amigos. Há retratos, paisagens, eventos, registros de viagens e reproduções de sua obra.

Inauguração da Escola de Arte Lasar Segall, em São Paulo, em 1933. Da esquerda para a direita: Paulo Rossi Osir, Guilherme de Almeida, Hugo Adami, Vittorio Gobbis, não identificado, John Graz e Lasar Segall. Sentadas: Esther Bessel, Jenny Klabin Segall, Mussia Pinto Alves e Anita Malfatti

Inauguração da Escola de Arte Lasar Segall, em São Paulo, em 1933. Da esquerda para a direita: Paulo Rossi Osir, Guilherme de Almeida, Hugo Adami, Vittorio Gobbis, não identificado, John Graz e Lasar Segall. Sentadas: Esther Bessel, Jenny Klabin Segall, Mussia Pinto Alves e Anita Malfatti

Colecionadas por Lasar Segall, as fotografias que compõem o Arquivo Fotográfico Lasar Segall retratam seu cotidiano em família, seu ambiente de trabalho, a convivência com outros artistas e amigos. Essas imagens constituem-se em registros de época, que revelam aspectos tanto de sua personalidade como do meio intelectual que frequentou na Europa e no Brasil.

Neste valioso corpus documental, estão representados importantes fotógrafos e estúdios fotográficos brasileiros e europeus, tais como Hildegard Rosenthal, Sasha Harnisch, Benedito Junqueira, Hugo Erfurth, Gregori Warchavchik, Hugo Zanella, entre outros.

Em dezembro de 1981, foi constituído o Arquivo Fotográfico Lasar Segall, como um dos setores do Departamento de Museologia do Museu, e deu-se início ao trabalho de sistematização desse acervo. Hoje, ele está dividido em dois núcleos: a Coleção Fotográfica Lasar Segall, com cerca de 5.000 fotografias colecionadas pelo pintor, e a Documentação Fotográfica da Obra Artística de Lasar Segall, composta por cerca de 400 negativos de vidro e cerca de 1.600 positivos em papel, realizados por diferentes fotógrafos sob encomenda do próprio artista.

Além de seu valor intrínseco, as fotografias do Arquivo contribuem de maneira definitiva na pesquisa sobre a produção do artista. Muitas delas servem como indicativos para o trabalho de restauração, autenticação, localização de obras desconhecidas ou mesmo para o reconhecimento de pinturas reelaboradas pelo próprio artista. Um grande número de fotos, notoriamente, serviu como referência para a construção de suas obras e são, portanto, parte constitutiva do processo de elaboração de seu pensamento visual.

Lasar Segall e seus colegas da Academia de Dresden em uma das excursões de pintura ao ar livre, em 1911

Lasar Segall e seus colegas da Academia de Dresden em uma das excursões de pintura ao ar livre, em 1911

Na mostra, por cautela, o artista expõe obras de caráter neo-impressionistas, e obras de um estilo pessoal que começava a se delinear. Na vernissage, o prestígio do senador ajudou a lotar o salão, mas foi a qualidade da sua obra que conquistou o público e a imprensa, atraindo também o interesse da classe artística. No final da mostra ganhou do crítico Abílio Miller o título de “pintor de almas”.

Em declaração à imprensa, Jorge Schwartz, diretor do Museu Lasar Segall disse que “A exposição de 2013 abriu o horizonte dos artistas daqui e pavimentou o caminho que levou Anita Malfatti a fazer a exposição de 1017 e a impulsionar o movimento modernista brasileiro.”

Vale destacar que ao longo de sua produção, o artista teve fases muito distintas e que a mudança física para o Brasil gerou transformações marcantes em seu estilo: “Há um entusiasmo pelo colorido do Brasil, pela arquitetura das favelas. Ele fica fascinado”, conta a historiadora Vera D’Horta.

O evento contará, ainda, com Vera d’Horta, historiadora e pesquisadora do museu, que irá falar sobre a primeira exposição de Segall no Brasil.

Na ocasião, o Museu também divulgará oficialmente o resultado do trabalho de preservação, organização e digitalização dos seguintes acervos do museu: Arquivo Fotográfico Lasar Segall (AFLS) e Arquivo Lasar Segall (ALS), respectivamente, disponibilizados on-line.

Saiba mais sobre a vida e a obra de  Lasar Segall.

Museu Lasar Segall

Museu Lasar Segall

O que: Exposição Segall Brasil – 1913-2013 – 60 fotografias do acervo
Onde: Museu Lasar Segall – Rua Berta 111, Vila Mariana, São Paulo, SP
Quando: Do dia 16 de Março até o dia 02 de Junho de 2013. De terça a sábado e feriados, das 14h às 19h; domingos, das 14h às 18h.
Para mais informações: http://www.museusegall.org.br
Contato: (11) 5574-7322

 

Avaliação de obras de arte

Para avaliar uma obra de arte de um artista consagrado, basta preencher o formulário abaixo que voltaremos com a resposta em poucos dias e sem qualquer custo.

As avaliações são realizadas por profissional com mais de 30 anos de experiência no ramo, com amplo conhecimento e vivência no meio artístico nacional.

Lembre-se: quanto mais informações você nos enviar maior será a precisão do avaliador em relação ao valor de sua obra, então nos forneça o máximo de detalhes e fotos possíveis.

Seu nome (obrigatório)

Endereço de e-mail (obrigatório)

Faça seus comentários (Qual a história de sua obra? Ganhou? De quem? Comprou? Onde?)

Qual artista é o autor da obra? Não consegue identificar? Mande
fotos da assinatura que tentaremos estabelecer a identidade do artista
para você.

Qual a medida aproximada da obra? (ex.: 160 x 70 cm)

Você consegue distinguir a técnica que o artista usou na confecção
da sua peça? Por exemplo, óleo sobre tela, gravura, etc? Em caso
negativo tentaremos identificar pelas fotos que enviar e por seus
comentários.

Qual a data em que a peça foi criada? Há alguma inscrição do
artista na peça?

Possui interesse em comercializar a obra?
 Sim Não

Foto frente (obrigatório)

Foto verso

Compartilhar.

Sobre o autor

O Mercado Arte disponibiliza para os artistas a oportunidade de ter uma página na Web para exibir seus trabalhos e para o público em geral a chance de acessibilidade a um universo artístico criativo que vai muito além do que se apresenta em galerias, museus e sites atualmente.

Deixe uma resposta