Oscar Niemeyer

0
“De um traço nasce a arquitetura. E quando ele é bonito e cria surpresa, ela pode atingir, sendo bem conduzida, o nível superior de uma obra de arte.”

Oscar Niemeyer é um arquiteto brasileiro, considerado um dos nomes mais influentes na Arquitetura Moderna internacional. Foi pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Famoso, principalmente, pelas curvas impostas a edificações de arquitetura singular em Brasília e pelas formas revolucionárias de seu estilo arquitetônico. Oscar Niemeyer tem um gênio de artista e vê a arquitetura de forma única.

Possui uma extensa obra e é um dos maiores representantes da arquitetura moderna da história. Tem como característica principal o uso do concreto armado para as suas construções e por compor uma maior fluidez e movimento nelas.

Oscar Niemeyer - Biografia

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

“Nasci em Laranjeiras, na Rua Passos Manuel, rua que depois recebeu o nome do meu avô Ribeiro de Almeida, então Ministro do Supremo Tribunal Federal. Uma rua íngreme, tão íngreme que até hoje me espanta como a corríamos de cima para baixo jogando futebol.”

Nascido no Rio de Janeiro, em 1907, Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares tem sido o arquiteto brasileiro que acumula o maior número de prêmios internacionais, bem como exibe um conjunto de obras realizadas no Brasil e no exterior que o coloca como um dos expoentes da arquitetura universal.

Em 1929, matricula-se no curso de arquitetura da Escola Nacional de Belas Artes – Enba. Considera a formação insatisfatória.

Formado em 1934 pela Escola Nacional de Belas Artes, procura Lucio Costa  e Carlos Leão, com quem faz estágio. Naquele escritório, aprende os fundamentos da arquitetura moderna e toma gosto pelas construções coloniais luso-brasileiras. Para Niemeyer, Costa é seu principal mestre. Diz ser “devedor de sua orientação arquitetônica, de suas relações com a técnica e a tradição brasileiras e, principalmente, do exemplo de correção e ideal que oferece, a todos que dele se acercam”.

O primeiro trabalho que elaborou – como membro da equipe liderada por Lúcio Costa e consultoria de Le Corbusier – para a sede do Ministério de Educação e Saúde em 1936, caracterizou-se como um marco da arquitetura moderna mundial.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Em 1935, o estúdio de Costa e Leão é fechado. Niemeyer passa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – SPHAN. Em 1936, por indicação de Lucio Costa, é chamado para acompanhar, como desenhista, o arquiteto franco-suíço Le Corbusier no Rio de Janeiro. O mestre europeu vem ao país para realizar a primeira Cidade Universitária do Brasil, a pedido do Ministério da Educação. Na época, suas idéias já têm considerável influência sobre os arquitetos modernos do Rio de Janeiro. Segundo Lucio Costa, os escritos de Corbusier são “o livro sagrado da arquitetura moderna brasileira”.

Niemeyer convive intensamente com Le Corbusier. Absorve o seu rigor formal e a liberdade do seu desenho. Interessa-se por sua concisão arquitetônica e pela idéia do edifício como uma unidade escultural. Apesar do empenho, o projeto para a Cidade Universitária é rejeitado. Le Corbusier, no entanto, também esboça um edifício para o futuro Ministério da Educação e Saúde, que é aprovado como modelo do prédio a ser construído no centro do Rio de Janeiro a partir de 1936.

O grupo de arquitetos, composto por Affonso Eduardo Reidy, Carlos Leão, Ernani Vasconcelos, Jorge Machado Moreira, Lucio Costa e Oscar Niemeyer, é chamado para a construção e adaptação do projeto. Niemeyer propõe mudanças importantes para a obra. Sugere o prolongamento dos pilotis, a substituição das janelas por brise soleil a troca do teto por um terraço-jardim. As modificações são acatadas, compondo um dos primeiros marcos da arquitetura moderna no país.

Durante a construção do prédio do Ministério, Niemeyer realiza seus primeiros trabalhos. Em 1937, faz a primeira obra individual: a creche Obra do Berço.

Em 1939, em colaboração com Lúcio Costa, executa o projeto Pavilhão do Brasil para a exposição em New York.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Em 1940, com a obra da Pampulha – Cassino, Casa do Baile, Iate Club, e a Igreja de São Francisco de Assis – passa a ser conhecido internacionalmente, demonstrando com formas livres as possibilidades do concreto armado.

Para Niemeyer a Pampulha é o “começo de sua vida de arquiteto”.É onde rompe com a ortodoxia do funcionalismo e a monotonia das estruturas retilíneas, em nome de formas livres, curvas e sensuais. Assim, “se o prédio do Ministério, projetado por Le Corbusier, constituiu a base do movimento moderno no Brasil, é à Pampulha que devemos o início de nossa arquitetura voltada para a forma livre e criadora (…)”.Na realização da Pampulha, Niemeyer conta com a importante colaboração do engenheiro Joaquim Cardozo  e do paisagista Burle Marx.

Em 1947 participa da equipe responsável pelo projeto da sede da Organização das Nações Unidas – ONU, em New York dirigida pelo arquiteto Wallace Harrison.

Apesar da perseguição política, Niemeyer consolida seu prestígio. Em 1949, é nomeado membro da American Academy of Arts and Sciences. No início da década de 1950, o debate crítico em torno da obra de Niemeyer se intensifica. O arquiteto greco-americano Stamo Papadaki publica a primeira monografia sobre a obra do arquiteto carioca, em 1950.Três anos mais tarde, importantes arquitetos analisam seus projetos: Walter Gropius  e Max Bill. O último o ataca violentamente; critica, sobretudo, a dissociação entre forma e função.

No mesmo ano, Niemeyer é convidado por Ciccilo Matarazzo  para construir o complexo do Ibirapuera, em São Paulo. O concreto armado já é o mais importante material que utiliza, por aceitar as formas leves e ousadas do arquiteto. Os vãos desses prédios tornam-se ainda mais largos e as colunas, mais estreitas; os pontos de apoio são delicados; o conjunto tem um aspecto leve e curvilíneo. No entanto, durante a construção, o projeto é bastante modificado, incomodando o arquiteto.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Em 1956, Juscelino Kubitscheck, já presidente da República, convida Niemeyer para projetar os prédios públicos de Brasília, futura capital do Brasil. Inicia o projeto um ano depois. De acordo com o arquiteto, os edifícios de Brasília são uma tomada de posição contra os limites do funcionalismo e o envelhecimento de algumas fórmulas da arquitetura moderna. Sua “preocupação fundamental consiste em conceber um elemento novo e diferente, que não copiasse os modelos habituais nos quais a arquitetura moderna se atola, mas que suscitasse um sentimento de surpresa e emoção (…) Só a sua beleza plástica nos comove, verdadeira mensagem permanente de graça e poesia”.

Em 1958, Niemeyer é nomeado arquiteto-chefe da construção de Brasília. Fecha seu escritório e parte para o Planalto Central. A cidade é inaugurada em 1960. Os prédios causam admiração. O escritor André Malraux diz que as colunas do Palácio da Alvorada “são o evento arquitetônico mais importante desde as colunas gregas”. Le Corbusier acha Brasília “magnífica de invenções, de coragem e de otimismo”.

Em 1960, com o escritório montado em Paris e tendo recebido do governo francês o prêmio “Legião de Honra da França”, “Medalha de Ouro” da Academia de Arquitetura da França e membro do Comitê dos Conselheiros Artísticos da UNESCO, realiza obras no mundo inteiro, das quais se destacam o Edifício -Sede da Editora Mondadori, na Itália; o Centro Cultural do Havre e sede do Partido Comunista Francês, na França; Universidade de Constantine, em Argel; e os planos da Cidade de Neveg, em Israel; Plano de Urbanização do Algarve, em Portugal; Centro Cívico e Administrativo de Argel; Centro Residencial de Estudantes em Oxford, Inglaterra, entre outros.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Ao voltar ao país, sofre perseguições constantes da ditadura militar. Muitos de seus projetos são interrompidos. A violência faz o arquiteto voltar a sua carreira para o exterior, onde obtém muito êxito. Em 1965, o Museu de Artes Decorativas do Louvre expõe seus projetos. Dois anos depois, é convidado para projetar a nova sede da Editora Arnaldo Mondadori nos arredores de Milão. Niemeyer atende ao pedido do proprietário, Giorgio Mondadori, e cria um conjunto monumental. A obra é centrada em um longo edifício de vidro e aço “envolvido por um sistema de grandiosos arcos de concreto com vãos de larguras diversas que dão ritmo à fachada”. Em 1968 realiza ambicioso projeto para a Universidade Constantine, na Argélia, que custa a ser terminado. Trabalha muito na Europa. Seu prestígio é tanto, que, em 1974, o filósofo e sociólogo francês Raymond Aron  propõe sua entrada no Collège de France.

Oscar Niemeyer, continua em intensa atividade, destacando-se em 1983 as obras da Passarela do Samba (Sambódromo) e o conjunto de escolas pré-fabricadas – CIEPs, no Rio de Janeiro.

Entre seus projetos mais recentes encontram-se a Sede do Jornal “L Humanité”, na França; o Panteão da Liberdade, na Praça dos Três Poderes, em Brasília; o projeto para a Embaixada Brasileira em Cuba, o Memorial da América Latina, em São Paulo.

Oscar Niemeyer - Foto artista

Oscar Niemeyer – Foto artista

Entre os inúmeros prêmios recebidos destacam-se o Prêmio Lênin da Paz em 1963; Prêmio “Lorenzo il Magnífico”, Itália, 1980; Membro Honorário da Academia de Artes da URSS, 1983; Membro Titular da Academia Européia das Ciências, Artes e Letras, 1983; Doutor “Honoris Causa” da Academia de Construção da República Democrática Alemã, 1988; Pritzker Architecture Prize – Estados Unidos, 1988; Membro Honorário do “Royal Institute of British Architects”, Inglaterra, 1989 ace, no mesmo ano, o Prêmio Príncipe de Asturias de Las Artes, Espanha.

No campo da escultura, são conhecidos os projetos do Monumento a Carlos Fonseca Amador, Nicaraguá, 1982; Monumento Cabanagem, Pará, 1984; Monumento “Tortura Nunca Mais”, Rio de Janeiro, 1986; Monumento aos “Três operários assassinados durante a greve de novembro de 1988, em Volta Redonda e a escultura na Praça Cívica do Memorial da América Latina , 1989.

Oscar Niemeyer trabalhou até dias antes de sua morte, em 5 de dezembro de 2012, aos 104 anos.

Formação

1929/1934 – Rio de Janeiro RJ – Estuda na Escola Nacional de Belas Artes – Enba, onde forma-se em arquitetura. Mantém contatos com Lucio Costa (1902 – 1998)

1934/1935 – Rio de Janeiro RJ – Estágio no escritório de arquitetura de Lucio Costa

Cronologia

Curiosidades

 

Obra do berco, Lagoa, Rio de Janeiro

Obra do berco, Lagoa, Rio de Janeiro

Livro – Oscar Niemeyer – De vidro e concreto
Autor:Frederico de Holanda
Editora: Frederico Holanda

Este livro considera algumas possíveis controvérsias sobre aspectos específicos da obra de Oscar Niemeyer como – relações entre o espaço ‘interno’ dos seus trabalhos e o espaço ‘externo’ às edificações, natural ou construído. O autor mostra que varia a natureza da ‘pele’ dos edifícios, facultando mais ou menos possibilidades de passagem entre dentro e fora (abertura x fechamento), mais ou menos visibilidade entre interior e exterior (transparência x opacidade). O autor analisa, também, que pode haver certa tendência no tempo – projetos mais antigos são mais abertos e mais transparentes; mais recentes, são mais fechados e mais opacos; Ele tenta responder em seguida à questões como – Quais as implicações disto? Quais as sensações das pessoas ao usufruírem as alternativas? Como avaliar a transformação?

Livro – Oscar Niemeyer – 100 anos 100 obras
Autor: Roberto Segre/ Ricardo Ohtake
Editora: Instituto Tomie Ohta

Esta obra homenageia os 100 anos de Oscar Niemeyer, pretendendo mostrar diversas fotos de projetos construídos.

Livro – Oscar Niemeyer e modernismo de formas livres no Brasil
Autor: David Underwood
Editora: Cosac Naify

Este ensaio ilustrado afirma que a atmosfera cultural, social e natural da cidade do Rio de Janeiro foi a principal fonte de inspiração para a obra de Oscar Niemeyer, na contramão da versão dominante da crítica que vê as conquistas do arquiteto brasileiro como de ordem meramente formal. Na visão de Underwood, a trajetória arquitetônica de Niemeyer é uma celebração do tropical e do erótico, das paisagens mágicas e do sensual modo de sua cidade natal.

Livro – Oscar Niemeyer – Uma arquitetura de sedução
Autor: André Correa do Lado
Editora: Bei

Apoiado em escritos de Niemeyer, na opinião de críticos e em esclarecimentos prestados pelo próprio arquiteto, André Corrêa do Lago conduz o leitor à compreensão de uma das mais importantes obras arquitetônicas do século vinte, iluminando também questões relativas ao modernismo e à arquitetura em geral. O texto é completado por imagens de fotógrafos de três gerações – Marcel Gautherot, Cristiano Mascaro e Nelson Kon -, que revelam, cada um a seu modo, a singular plasticidade das construções de Niemeyer. Da junção entre texto e fotografias emerge uma análise das idéias e do estilo de Niemeyer, focado no equilíbrio entre racionalismo e intuição e sempre direcionado à beleza e à liberdade.

 

Fachada exterior do Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, projetado por Oscar Niemeyer, com jardins de Burle Marx

Fachada exterior do Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, projetado por Oscar Niemeyer, com jardins de Burle Marx

Livro – Oscar Niemeyer 360 Graus – Minhas obras favoritas
Autor: Rogério Randolph / Luiz Claudio Lacerda
Editora: 360° Editora

‘Oscar Niemeyer 360 º’ é um livro que busca apresentar 22 obras escolhidas pelo próprio arquiteto, no Brasil e no exterior, utilizando um recurso especial – a fotografia em 360º, que deve reproduzir em um único fotograma tudo aquilo que seria possível observar em um giro completo sobre o próprio eixo. Traz textos em inglês, português, espanhol e alemão. A obra foi prefaciada por José Carlos Sussekind.

Livro – Poetica da Luz Natural na obra de Oscar Niemeyer
Autor: Paulo Marcos Mottos Barnabe
Editora: Eduel

O livro apresenta uma discussão sobre a obra de Niemeyer realçando as significações presentes na luz do sol e sua influência neste trabalho. Além disso, possibilita ao leitor uma compreensão de como a teoria da arquitetura pode se revelar na prática.

Livro – Oscar Niemeyer
Autor: Ricardo Ohtake
Editora: Publifolha Editora

‘Folha Explica Oscar Niemeyer’ segue os 100 anos de vida deste grande arquiteto. Começa por trabalhos anteriores ao do conjunto da Pampulha – projeto pioneiro de novas faces da arquitetura no mundo -, passando por várias obras emblemáticas, como o Edifício Copan e o conjunto do Parque Ibirapuera, até a criação de Brasília em 1960 e chegando a projetos mais recentes como o Sambódromo, o Memorial da América Latina e o Museu de Niterói.

Livro – Oscar Niemeyer – 1999-2009
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: 7 Letras

Este livro reúne os trabalhos de Oscar Niemeyer no período de 1999-2009. O arquiteto discorre sobre seus projetos espalhados pela América Latina, Europa, Ásia e África, em uma edição ilustrada. Entre as construções reunidas em ‘Oscar Niemeyer 1999-2009′ estão o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, a Catedral de Belo Horizonte, a Torre de TV Digital em Brasília, a Embaixada do Brasil em Cuba, o Pavilhão Hide Park em Londres e o Centro Cultural no Cazaquistão.

Livro – As curvas do tempo – Memórias
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Niemeyer faz uma seleta de textos de caráter afetivo, quando um dos temas é a família, ou a arquitetura e as artes que a integram. Fala de livros e sobre os autores que sente prazer em ler. O Brasil e o Rio de Janeiro (em especial a vista para o mar das janelas de seu escritório) que ele sempre sente saudades quando passa muito tempo fora. É um diário pouco datado que oferece para o leitor uma visão de Niemeyer enquanto arquiteto, artista, escritor, criador, cidadão e amigo. Uma síntese autobiográfica. Sensibilidade e nostalgia são os ingredientes desta obra literária na qual Oscar Niemeyer se revela um versátil contador de histórias. Ele escreve como desenha, tudo flui. Narra com afeto a infância vivida na casa dos avós em Laranjeiras, as divertidas aventuras da juventude, além da sua dedicação ao Partido Comunista, que o transformou num militante ativo.

Livro – Crônicas

Oscar Niemeyer - São Francisco de Assis

Oscar Niemeyer – São Francisco de Assis

Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Esta obra, primeiro livro de crônicas de Oscar Niemeyer, traz uma seleção de textos publicados na Folha de S.Paulo, no Jornal do Brasil, no Correio Braziliense e outros órgãos da imprensa durante as últimas décadas. Ele fez alterações em alguns deles e escreveu outros especialmente para o livro. As crônicas refletem a opinião do arquiteto a respeito da política, do Rio antigo, dos amigos e das suas experiências de vida.

Livro – A forma na arquitetura
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Este livro traz o problema da forma na arquitetura. O autor invade outros problemas ligados também à arquitetura e demonstra como é possível atuar na profissão sem se omitir, mantendo-se politicamente engajado.

Livro – Minha experiência em Brasilia
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Esta é a quarta edição deste livro que se tornou uma referência histórica na bibliografia brasileira. Com primeira edição em 1961, seu texto e suas imagens nos trazem, portanto o viço de Brasília ao nascer, o calor da luta para ergue-la, o entusiasmo e o espírito de humanismo e o patriotismo que animaram Oscar Niemeyer e todos os que se empenharam para tornar realidade aquela façanha extraordinária, que foi construir em três anos uma nova e bela capital para o Brasil. Com o golpe de Estado de 1964, naturalmente, o livro foi pra o index dos governos militares. Mas, tão logo estes começaram a perder força, em 1980, a Avenir Editora faz dele a segunda edição, que logo se esgotou e foi reimpressa. A decepção com os governos civis que sucederam aos militares, todavia, esvaziou o impulso que empolgou o país na luta pelos direitos democráticos. A Avenir Editora, que vinha realizando um excelente trabalho de edição de obras voltadas para a busca da democracia e do interesse nacional, foi entretanto do desencanto da intelectualidade que acompanhou esse esvaziamento e teve de encerrar suas atividades.

Livro – Conversas de arquiteto
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

O livro é constituído por pequenos textos que enfocam a arquitetura em sua essência e aborda temas como o nascimento da arquitetura, o ensino desta disciplina que deve passar por uma reformulação na qual deve-se enfatizar os problemas das artes plásticas , e a relação entre o arquiteto e a sociedade.

 

Oscar Niemeyer - Ministério da educação e saúde pública (Rio de Janeiro, RJ)

Oscar Niemeyer – Ministério da educação e saúde pública (Rio de Janeiro, RJ)

Livro – Casas onde morei
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

O que mais encanta em Oscar Niemeyer é a sua capacidade de produzir um texto leve, quase uma conversa e tão envolvente quanto uma boa ficção. ‘Casas onde morei’ não se resume à descrição de suas casas e aos fatos nelas vividos, o texto nos dá a nostalgia de um homem que viveu profundamente cada época e fato ocorridos neste país – suas casas são o reflexo dessas experiências. A proposta é contar os detalhes arquitetônicos e sentimentais de cada casa em que Oscar viveu com sua família. São lembranças da casa das Laranjeiras, onde passou a infância, da casa de avenida no Leblon, assim como projetos da casa das Canoas, sua obra mais conhecida e comentada. Vemos em cada casa a marca das curvas e a liberdade dos ambientes. Sem contar a busca por uma integração com a natureza, certamente, seu maior mérito é fazer uma arquitetura que se adapte ao ambiente e não este ao concreto armado dos projetos.

Livro – Sem rodeios
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Em um tom coloquial os três personagens induzem o leitor a refletir sobre os fatos do mundo e como a humanidade reage a tudo à sua volta. O livro é um depoimento de quem ainda acredita no ser humano e sonha com um mundo mais justo, sem fome e guerra. Antenados com todos os acontecimentos, seus personagens discutem fatos como os tsunamis, a política no Brasil, Bush, Código da Vinci, além de uma série de referências a personalidades brasileiras. Sem ofensas ou moralismos.

Livro – Museu de arte contemporanea de Niteroi
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

A obra traz desenhos e plantas de Niemeyer, além de fotos internas e externas do Museu. Os prefácios de Jorge Roberto Silveira, Ítalo Campofiorito e de Oscar Niemeyer reconstroem, desde a idéia inicial, a história desta obra arquitetônica, onde a paisagem não só foi preservada como também realçada. O projeto editorial é assinado pelo artista gráfico francês Jean Petit. Traz ainda alguns depoimentos registrados no livro de visitantes, como o de Fernando Henrique Cardoso, Ferreira Gullar, Kathleen Bartels (MAC Los Angeles), Carlos Scliar, Antônio Callado, entre outros.

Livro – Diante do nada
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

O romance, passado na época de mais feroz repressão da ditadura militar, narra a história de um professor universitário e sua namorada que se envolvem num episódio de luta política, depois de se refugiarem numa pequena vila à beira-mar e juntarem-se a um grupo de pescadores e gente simples que ali morava. Na obra se mesclam lances de novela policial, crônica dos tempos e lirismo. Através da trama, Niemeyer leva o leitor a reflexões sobre problemas essenciais do ser humano. Após a publicação de seu livro de memórias, As curvas do tempo, Oscar Niemeyer volta seu gênio criativo para a ficção literária, onde seu amadurecimento como escritor encontra seu maior momento. O resultado é um conto simples, quase uma fábula, de beleza e grandeza notáveis, que os leitores brasileiros e de todo o mundo hão de perceber e usufruir.

Livro – ?

Oscar Niemeyer - Palácio da Alvorada (Brasilia, DF)

Oscar Niemeyer – Palácio da Alvorada (Brasilia, DF)

Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Concebido pelo próprio autor, desde o projeto gráfico, capa e ilustrações internas, esse livro reúne pequenos textos em que o arquiteto Oscar Niemeyer se interroga e compartilha com o leitor reflexões sobre uma variedade múltipla de temas que o inquietam; a solidão e a fragilidade do ser humano, a memória dos tempos idos, as premências de dinheiro, a família, as mulheres, os amigos, a política, a desigualdade social, a pobreza, a esperança, a revolução e, até mesmo, a arquitetura. Com saudação de José Saramago, as 58 páginas, ilustradas com desenhos feitos pelo próprio Niemeyer exclusivamente para o livro, traduzem questionamentos e lembranças do arquiteto, recheados de citações de amigos e companheiros de luta por um mundo mais justo.

Livro – Rio – De Provincia a Metropole
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

O texto de 1980 é uma carta de Niemeyer em que este relembra como era a cidade do Rio de Janeiro em sua época de criança e juventude. Mas o foco está em imaginar projetos arquitetônicos com intenção de melhorar a vida na cidade.

Livro – Meu sósia e eu
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Com ilustrações a duas e quatro cores, mostra a obra do extraordinário arquiteto, em todas as sua dimensões; a arquitetura, a escultura, o urbanismo, o desenho, e também o seu lado escritor, com textos de suas memórias e de observação do cotidiano. O próprio livro é uma obra de arte. Edição bilingüe (português/inglês).

Livro – Minha arquitetura
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

‘Minha Arquitetura’ contém um mundo de histórias, de belezas e ensinamentos. E tudo contado em prosa apurada, concisa e fluida, com ritmo e cadência tão bem medidos que nada parece armado, ou pensado de antemão. O texto vai deslizar pelos olhos do leitor, que aprenderá coisas nunca vistas e novos enredos como se já os conhecesse.

Livro – Conversa de amigos – Entre Niemeyer e Sussekind
Autor: Oscar Niemeyer / José Carlos Sussekind
Editora: Revan

José Carlos Sussekind é há décadas o engenheiro calculista preferido de Oscar Niemeyer. Mas, além de engenheiro, Sussekind é homem de espírito, que cultiva bons livros e boas idéias. Seu campo de interesses se estende pela história, pela política, pela filosofia. Sua relação com Niemeyer, ao longo dos anos, transformou-se em amizade, regada a longos e freqüentes papos além-trabalho. Ele mesmo explica, ao abrir este livro de cartas, sua gênese. A obra traz 56 cartas trocadas de março de 2001 até o início de 2002, sobre os assuntos mais diversos; literatura, filosofia, a atualidade política e, como não podia deixar de ser, arquitetura, com largo espaço para sua história, e engenharia. O conjunto é ilustrado com desenhos feitos por Niemeyer especialmente para o livro.

 

Oscar Niemeyer - Estrutura dos Ministério (Brasilia,DF)

Oscar Niemeyer – Estrutura dos Ministério (Brasilia,DF)

Livro – E agora:
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

‘E agora?’ reúne – a fé peregrina de quem se recusa ao conforto da resignação, perseverança em crer que existe, sim, saída para o ser humano, a persistência no ofício de caçar a beleza e a liberdade. Esta breve novela é de narrativa suave, sem passagens mirabolantes , com traçps rápidos e exatos que em seu conjunto criam a atmosfera criada pelo escritor.

Livro – O ser e a vida
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Em ‘O ser e a vida’, Oscar Niemeyer reflete acerca da importância da literatura na formação humana e na construção de um país mais justo. O arquiteto discute um pouco sobre como a leitura foi relevante em sua vida pessoal e profissional, uma vez que proporciona um alargamento de horizontes. Obras clássicas, como as de Lima Barreto, Mário de Andrade, Eça de Queiroz, Machado de Assis e Voltaire, e de colegas contemporâneos, como Jorge Amado e Graciliano Ramos, levaram-no a conhecer diversos problemas e assuntos, mesmo aqueles que já tinham sua atenção. Nesse contexto, sua preocupação maior é com os jovens.

Livro – Minha arquitetura – 1937-2005
Autor: Oscar Niemeyer
Editora: Revan

Este livro destaca os últimos grandes projetos de Oscar Niemeyer, de 2004-2005, entre os quais a sede administrativa do governo de Minas Gerais, as sedes da usina de Itaipu nas duas margens do Rio Paraná e um parque aquático em Potsdam, Alemanha. Aos 97 anos de vida e 68 de profissão, o grande arquiteto examina e mostra a sua obra, desde o conjunto da Pampulha até as mais recentes, passando pelos palácios de Brasília, pela sede Mondadori em Milão, a sede do Partido Comunista em Paris, o MAC de Niterói, e por outros projetos que marcaram sua presença no Brasil e no exterior. Além de edifícios, Niemeyer faz e mostra suas esculturas, desenhos e até peças de mobiliário. As 424 páginas de papel couché matte, impressas com alta sofisticação de cores e de tecnologia gráfica, mostram um Niemeyer que, além de projetar obras de arquitetura que maravilham o mundo – o New York Times acaba de publicar em seu Magazine dominical uma matéria de 11 páginas sobre ele – escreve poemas que falam das formas do corpo feminino e textos que misturam arquitetura, luta política e trivialidades. De maneira despojada e simples, Niemeyer escreve sobre seu método de trabalho na elaboração de projetos, suas experiências e trajetória. Com testemunhos de personalidades como Chico Buarque, Celso Furtado, Eric Hobsbawn, José Saramago, entre outros. O livro é fartamente documentado com fotos das obras, desenhos e plantas de projetos do arquiteto.

Livro – Nosso Caminho – V.1 – Maio 2008
Autor: Oscar Niemeyer / Vera Niemeyer
Editora: 7 Letras

Criada e editada por Oscar Niemeyer, a revista Nosso caminho é voltada para a arquitetura, a arte e a cultura. Este primeiro número traz uma série de projetos e desenhos do arquiteto, além de artigos de diversos pensadores brasileiros e de uma homenagem a Chico Buarque.

Livro – Oscar Niemeyer – A marquise e o projeto original
Autor: Cecilia Scharlach
Editora: Imesp

Este livro traz depoimentos, croquis, desenhos técnicos e fotos de Nelson Kon revelando a marquise e o projeto original do Parque Ibirapuera.

Livro – Oscar Niemeyer por Nelson Werneck Sodre

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Autor: Nelson Wernerck Sodre
Editora: Graal Editora

A figura humana, o artista, o profissional fora de série, o rebelde político, o ‘homem de Brasília’, o responsável por construções magistrais que o celebrizaram em todo o mundo são retratados nesta obra magnífica. O livro inclui também a cronologia e uma entrevista exclusiva do biografado feita por Darcy Ribeiro, Ferreira Gullar e Sabino Barroso.

Depoimentos

“Penso que para ser uma obra de arte, no verdadeiro sentido da palavra, uma obra arquitetural deve, esta é uma condição fundamental, conter um mínimo de criatividade, ou seja, uma contribuição pessoal do arquiteto. Senão, ela se contentará em reutilizar as formas e soluções já conhecidas, produtos de escolas que caem rapidamente no academismo e se encontram ultrapassadas”.
Oscar Niemeyer

“Muitas vezes desejei fazer escultura. ‘Você é o escultor do concreto armado’ me diziam, e eu pensava que um dia isso poderia acontecer. O tempo passou. Nas horas vagas fazia alguns croquis. Pensava em grandes esculturas numa praça qualquer. Abstratas, leves, soltas no ar. Talvez surrealistas, obrigando os que as vissem a pensar um pouco, surpresos, procurando decifrá-las. Aceito tudo que é belo e bem realizado. Entre uma pintura de Picasso e outra de Matisse, por exemplo, encontro sempre o denominador comum da beleza e do talento a caracterizá-las. Gostava das esculturas de Moore e Hepworth, da pureza de Brancusi, das belas mulheres de Despiau e Maillol, das esguias figuras de Gaiacometti, das esculturas gregas e egípcias, da Vitória de Samotrácia, toda feita de beleza e movimento. Um dia conversei com meu amigo Honório Peçanha. Deu-me um saco de barro e um quadrado de madeira com um grande prego. Era o que eu precisava para me iniciar. Nunca os utilizei. Uma autocrítica feroz me tolhia. Mas, quando surgiu o problema do monumento a JK e depois o grupo Tortura Nunca Mais me convocando, não tive coragem de recusar. O homem segue seu destino, satisfeito quando suas convicções e esperanças com ele coincidem. Até hoje só fiz escultura de protesto. A primeira escultura que criei foi o Monumento a JK. O alto fuste que terminando em curvas protege e realça sua figura, esculpida por Honório Peçanha. O objetivo foi contestar a ditadura existente, os mais reacionários obrigando-os a vê-lo todos os dias, sorrindo, vitorioso sobre a cidade que Lúcio inventou e ele construiu. (…) A Segunda escultura que fiz, Tortura

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Nunca Mais, representa aquele longo e negro período de tortura que pesou durante 20 anos sobre nós. E a imaginei com a figura humana traspassada pelas forças do mal. Uma lança em curva de 25 metros de extensão. (…) A terceira foi a grande mão que desenhei com o sangue a correr até o punho, representando o continente latino-americano, explorado e oprimido. Escultura que, com sete metros de altura, foi enriquecer o Memorial da América Latina, em São Paulo. A quarta foi o monumento pedido pelo Sindicato dos Metalúrgicos, lembrando os três operários mortos pela reação. E o fiz tão contestador que o explodiram, no mesmo dia da sua inauguração. (…) Apesar das ameaças e cartas recebidas, propus que o pusessem de pé outra vez, com as fraturas à mostra e esta frase que redigi: ‘Nada, nem a bomba que destruiu este monumento, poderá deter os que lutam pela justiça e liberdade’. E o monumento lá permanece, depois de guardado durante três dias pelos operários da metalúrgica. A Quinta escultura está ligada a fato idêntico. Operários de Ipatinga, mortos numa manifestação pública. E a sexta, solicitada pelo governo do Senegal, constitui uma homenagem aos milhares de negros africanos enviados de Gorée, onde vai ser construído, para os cativeiros da América Latina. Será uma grande placa de concreto, com 80 metros de altura, na qual recortei a figura do escravo, desaparecido naqueles tempos de inqualificável violência”.
Oscar Niemeyer

Críticas

“É utilizando curvas desenvoltas e magistrais que Oscar Niemeyer ergue formas imateriais e transparentes. Livres e fluidas, equilibradas apesar da veemência do seu impulso, elas alternam delicadamente com faces de sombra e de luz (…) Modelando seu concreto com uma total compreensão, o arquiteto, escultor do espaço, harmoniza espontaneamente valores culturais e valores espaciais (…) As primeiras obras de Oscar Niemeyer, como o projeto para a Casa Henrique Xavier e a Obra do Berço, no Rio de Janeiro, são diretamente influenciadas pelas realizações de Le Corbusier. Mas pouco a pouco a sua obra vai de desligar da arquitetura funcionalista do início da sua carreira, para desenvolver uma pesquisa cada vez mais livre. Em 1942, quando Juscelino Kubitschek, então governador de Minas Gerais, empreendeu em Belo Horizonte a criação de um bairro de lazer em Pampulha, ele encomenda os planos a Oscar Niemeyer. Este então abandonará deliberadamente a linha reta para experimentar a curva. Uma curva utilizada com lirismo, por vezes arbitrariamente, mas pouco a pouco conduzida a se tornar o complemento indispensável da linha reta. Verdadeiro manifesto construído, contra um funcionalismo ortodoxo e geralmente sistemático, as construções de Pampulha marcaram o aparecimento de uma nova liberdade plástica, provocadora de emoção. A experiência espacial de Oscar Niemeyer, considerando-se o espaço como a própria essência da arquitetura, nunca se afasta dos fatores econômicos, sociais, técnicos e plásticos. Dentro da grande massa dos seus projetos e realizações, o arquiteto vai empregar todos os recursos do concreto para criar um mundo de formas estranhas, surpreendentes e imprevistas. Seu vocabulário plástico desenvolverá uma concepção cada vez mais livre, em constante evolução. A espontaneidade de expressão e a exuberante invenção da sua arquitetura sabem falar aos seus usuários. Além disso, a perfeição estrutural e o sopro poético da sua obra impedem a imitação dos seguidores, preservando assim a sua pureza”.
Jean Petit

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

“Tendo manifestado grande agilidade mental e flexibilidade diante da vida, ele certamente não viveu sem convicções nem sem um claro objetivo. Seu humanismo, sua intolerância diante da injustiça, suas certezas políticas nunca foram turbadas. Ao atravessar sua nona década, Niemeyer se arrisca no campo da escultura com a mesma generosidade de espírito, a mesma inventividade e provocação que trouxe para sua arquitetura. Faz isso explorando temas que ressoam dentro dele: as curvas ondulantes que ecoam na paisagem, nas mulheres, no mar do Rio; a homenagem ao companheiro sacrificado na luta pela justiça social; a força e a graça do arco, forma universal impregnada de associações culturais e simbólicas”.
Luis R. Cancel

“Nascida das novas técnicas de construção – que liberaram a fachada e as paredes dos edifícios – e da negação do estilo revival que predominava no século 19 – a arquitetura moderna adotou a funcionalidade como o princípio básico da criação: ‘a forma segue a função’. Se é certo que esse princípio contribuiu para o surgimento de uma nova concepção formal na arquitetura, também limitou-lhe a inventividade. Instaurou-se, então, a ditadura da linha reta, com que rompe o jovem Oscar Niemeyer, ao projetar, em 1942, o famoso conjunto da Pampulha. Essa ruptura com o estilo funcionalista não resultou apenas da necessidade de inovar mas também da percepção das possibilidades plásticas do concreto armado. Quebrado o dogma, que havia tornado repetitivas as soluções arquitetônicas, abriu-se o caminho de uma revolução formal e técnica, de que o nosso arquiteto foi o pioneiro e também o mais inventivo executor. Por sua audácia e pioneirismo, foi muitas vezes acusado de negligenciar a funcionalidade dos edifícios que projeta. Essa crítica não leva em conta o fato de que a beleza também é função da obra arquitetônica e que a funcionalidade prática dos edifícios muda com os anos, é superada pela vida. Para que serve hoje o palácio dos Dogers, em Veneza, se mudou o sistema de poder da sociedade e o modo de viver das pessoas? Mas a beleza do edifício se mantém intacta, a nos encantar a todos. Esta é a visão de Niemeyer, para quem a arquitetura deve, antes de tudo, surpreender as pessoas, inserir no cotidiano da cidade uma coisa que nos deslumbre”.
Ferreira Gullar
Museu Oscar Niemeyer – MON ( Curitiba- PR)

Localizado no Centro Cívico de Curitiba, numa área de 144 mil metros quadrados, dedica-se a exposições e pesquisas nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, e realiza seus projetos por meio da Lei Rouanet.
Suas instalações ocupam dois edifícios projetados por Oscar Niemeyer (1907). O primeiro, inicialmente chamado de Edifício Presidente Humberto Castelo Branco, é inaugurado em 1978, e abriga as secretarias do Estado. O segundo, também conhecido por “Olho”, é projetado em 2001 e construído com concreto e vidro, no ano seguinte. Instalado na frente do antigo edifício, liga-se a ele internamente por uma passagem subterrânea.
Para a construção do “Olho”, Niemeyer utiliza a técnica do concreto protendido, pela qual se aplicam tensões prévias ao concreto, permitindo a criação de grandes vãos livres. O edifício, com três pavimentos, está assentado em uma base quadrangular, revestida com cerâmica pintada com desenhos de Niemeyer.
O acervo do MON tem aproximadamente 2 mil obras, oriundas de coleções do antigo Museu de Arte do Paraná (MAP) e do Banco do Estado do Paraná (Banestado), de artistas do Paraná e outros Estados e de diferentes nacionalidades, como Miguel Bakun (1909-1963),Tarsila do Amaral (1886-1973) e Arcangelo Ianelli (1922-2009), Alfredo Andersen (1860-1935) e Guido Viaro (1897-1971). Recebendo novas doações, o acervo conta com obras de Tomie Ohtake (1913), Nelson Leirner (1932) e Amelia Toledo (1926).
O setor fotográfico é também uma preocupação do museu. Em 2004 três novas salas são inauguradas, exclusivamente para exposições fotográficas. O Centro de Documentação e Pesquisa concentra material bibliográfico nas três áreas de atuação, trata da memória dos eventos produzidos, além de manter um arquivo fotográfico com imagens de artistas e obras paranaenses.
Entre as exposições promovidas pelo museu destacam-se: Viaro – Um Visionário da Arte, Claudia Andujar – Yanomami, Siron Franco e Daniel Senise, em 2006; Para Nunca Esquecer – Negras Memórias, Memórias de Negro, Vida Animada – Desenhos de Roy Lichtenstein, Antoni Tàpies e Farnese (objetos), em 2005; Nelson Leirner, A Poética da Forma, Rembrandt e a Arte da Gravura, em 2004.

 

Museu Oscar Niemeyer

Museu Oscar Niemeyer

Em entrevista, Oscar Niemeyer diz admirar Dilma, mas espera volta de Lula

Ana Dubeux
Ana Maria Campos
Publicação: 29/05/2011

Rio de Janeiro – A aposentadoria é algo impensável para Oscar Niemeyer. Aos 103 anos, o arquiteto cultiva a rotina. Veste terno — sem gravata — e cumpre jornada de trabalho no escritório com uma das mais belas vistas do mar de Copacabana, na cobertura do edifício Ypiranga. O visual é impressionante, assim como a disposição do anfitrião para a vida. Niemeyer reclama de que há um mês está sem andar, mesmo com a fisioterapia. A mente, no entanto, segue perfeita. Além de projetos, da revista de arquitetura de que se orgulha, Niemeyer anda satisfeito com o samba composto em parceria com um de seus enfermeiros, Caio Almeida. Tranquilo com a vida foi criado na UTI, quando ele se recuperava de duas cirurgias no ano passado. Vera Lúcia, a mulher do arquiteto, conta que um dia chegou ao hospital e o tumulto estava formado em volta do marido. Eram médicos e enfermeiros curiosos para ouvir a música. Um Niemeyer que continua a encantar e a surpreender. Nesta entrevista ao Correio, ele fala com lucidez sobre arquitetura, política e conta histórias. Jura que voltará a Brasília, mas com uma ressalva: “Quando for preciso”. Em muitos momentos, revela um lado mais emocional. Diz que a mulher e os amigos são o melhor da vida. O resto, “seja o que Deus quiser”. Fã do ex-presidente Lula, aposta na volta dele ao Palácio do Planalto, embora demonstre admiração por Dilma Rousseff. No rol de elogios, não faltam palavras especiais dedicadas ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e ao líder cubano Fidel Castro. Ainda comunista, Niemeyer ataca o imperialismo e a burguesia. Sobre Brasília, lamenta a paralisação da obra da Torre Digital. E divaga quanto aos rumos da cidade: “Na época de JK, as coisas eram diferentes”.

Correio Braziliense – O que a vida tem de melhor?

Oscar Niemeyer - Você sabe que uma vez um amigo meu me perguntou: Oscar, e a vida? Eu disse: mulher do lado e seja o que Deus quiser.

Correio Braziliense – O resto pouco importa?

Oscar Niemeyer - O resto, paciência…

Correio Braziliense – O senhor mantém isso?

Oscar Niemeyer - Lógico. Olha aí a minha mulher. Amizade, respeito, amor, entusiasmo. Hoje eu ganhei uns livros (audiobook). Ontem eu coloquei Platão. Mas hoje ouvimos Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas. Era uma choradeira, o sujeito está morrendo, mas descrevia tão bem. É formidável. É muito bom esse aparelho para ouvir. O livro é bom e tem uma entonação… É uma nova paixão, um caminho interessante de revisitar as coisas e ir tocando a vida.

Correio Braziliense – E a arquitetura, o senhor ainda tem paixão?

Museu Oscar Niemeyer

Museu Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer - Desde que nasci, gostava de desenhar. Meu pai não fazia muita fé de eu ser arquiteto, não. Mas eu quis ir. Fui para a escola, fui trabalhar com o Lucio (arquiteto Lucio Costa) durante um tempo. Depois veio Pampulha (conjunto arquitetônico em Belo Horizonte). Depois que eu fiz Pampulha, o mundo clareou. Começou a aparecer muito trabalho. Defendo uma arquitetura diferente. Acho que a arquitetura não basta servir bem ao homem. Ela tem que ser bonita e, para ser bonita, tem que ser diferente, tem que criar surpresa. De modo que adotei um trabalho que é uma invenção.

Correio Braziliense – Como tem sido a sua rotina? O senhor vem ao escritório todo dia?

Oscar Niemeyer - A pessoa tem que se ocupar. Ficar parado, não dá. O mundo não é tão amigo. É tanta complicação, quando não é com a gente, é com os amigos. O trabalho alivia a dureza da vida.

Correio Braziliense – Além de projetos, como ocupa sua cabeça?

Oscar Niemeyer - Você viu a nossa revista? (Nosso Caminho, publicação idealizada pelo arquiteto) A revista é o que queremos fazer da vida. Levar o conhecimento aos outros, ser útil, aos mais jovens, fazer eles compreenderem e despertarem para ler muito. Senão o sujeito fica fora da jogada, não sabe o que está se passando. De modo que é muito bom trabalhar olhando para o futuro.

Correio Braziliense – E aos jovens? Que conselho daria?

Oscar Niemeyer - Leiam muito. Leiam sempre. Ler para conhecer, para descobrir, se encantar. A revista de arquitetura é um pretexto para levar ao mais jovem o conhecimento. A gente procura dar o exemplo. Nós temos um professor que nos dá aula de filosofia e sobre o cosmo há cinco anos. Toda terça-feira aqui. A gente precisa se distrair, conhecer as coisas, saber por que estamos aqui neste mundo, por que aparecemos, saber a vida como é. Gosto tanto de ouvir o professor falar sobre o cosmo, sobre o universo, vendo que somos um pigmeuzinho em cima da Terra. Somos insignificantes diante da grandeza do mundo.

Correio Braziliense – A arrogância hoje impera?

Oscar Niemeyer - Temos de lutar para mudar as coisas, contra as injustiças. A gente quer todos iguais, com as mesmas possibilidades. É difícil, mas com o tempo todo mundo consegue compreender. O importante, para mim, por exemplo, é ser útil. Se eu vejo uma pessoa nova, que me apresentam, não vou ficar imaginando os defeitos que ela possa ter. Eu quero ser útil. É um companheiro. Isso é que é posição para ficar mais tranquilo. O arrogante é um tolo.

Correio Braziliense – Dentre os arquitetos da atualidade, tem algum que se destaca?

Oscar Niemeyer - Tem muitos que começam a pensar melhor, fazem palestras, reuniões. Tem muita gente boa pensando diferente.

Correio Braziliense – A vida vale a pena?

Oscar Niemeyer - A vida é difícil. É complicada, mas vale a pena. Eu tinha seis irmãos. Agora estou sozinho.

Correio Braziliense – O senhor se sente só?

Oscar Niemeyer - Sozinho, não. Estou com a Vera. (risos)

Correio Braziliense – Ela é uma eterna companheira.

Oscar Niemeyer - Lógico. A vida tem que ser bem vivida, de coração aberto, o sujeito sentindo que pode ser útil, que não é um sacana qualquer. Esse mundo é complicado. As escolhas são tudo na vida.

Correio Braziliense – O senhor tem arrependimentos?

Oscar Niemeyer - Olhando para trás, vejo coisas que eu poderia ter evitado. Todo mundo tem um lado bom e um ruim. Mas pelo menos tem predominado essa ideia. Na minha casa, na sala de visitas tinha cinco janelas, eu me lembro que a minha avó fez de uma das janelas o oratório e tinha missa em casa, então eu lidava com aquele pessoal, a família toda religiosa, os amigos religiosos, e eu, aos 17 anos, gostava daquela gente, eram bons. Marcou para mim, que sou ateu, uma tendência de aceitar a religião. Eu conheci diversos padres que frequentavam a minha casa…

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Correio Braziliense – Mas agora o senhor tem se aproximado mais da religião e tem desenhado igrejas.

Oscar Niemeyer - Bastante… É curioso esse reencontro com a minha juventude, com a religião. Sabe, tenho lembrado muito da Pampulha. Minha vida de arquiteto começou lá. Juscelino me chamou, me entusiasmou. Depois fiz outros projetos para ele. Engraçado, eu fui sempre cercado pelos mineiros, no meio dessa coisa, o Rodrigo Melo Franco era o amigo quase predileto. Era uma pessoa tão boa, tão correta. Ele me chamou para o Patrimônio. Eu ia com ele ver as obras antigas, ia a Ouro Preto. Ele foi formidável. Defendeu esse passado de arte do Brasil e arquitetura. Minas foi marcante na minha vida.

Correio Braziliense – E Brasília? Dos monumentos que o senhor criou para Brasília, qual é o mais bonito?

Oscar Niemeyer - De Brasília, não falo não, porque a maioria fui eu quem fez.

Correio Braziliense – Mas qual é o mais bonito de sua autoria?

Oscar Niemeyer - O Palácio do Congresso. Por dentro, foi muita confusão porque é difícil. A obra demora e, quando ela pede a presença do governo, o governo está se modificando e criando problemas. De modo que é difícil. Mas gosto muito do Congresso. Minha profissão é boa, cheia de surpresas. Quero fazer uma arquitetura diferente. Não quero que a arquitetura seja apenas útil. Tem que ser bonita. E se tem que ser bonita, tem que criar surpresas. O princípio da obra de arte é a surpresa. Importante é o sujeito se espantar com o que está vendo, com o novo, a novidade. De modo que a coisa caminha assim.

Correio Braziliense – O senhor sabe que tem um comunista administrando Brasília?

Oscar Niemeyer - Acho bom, desde que entrei no partido conheci muita gente boa lá… Agora na última revista nós estamos lembrando do Gregório Bezerra, que foi apedrejado nas ruas do Recife. São essas coisas que prendem a gente no partido. O partido tem lutado muito. Tem companheiros que dão força pra gente, que são tão corretos. Eu me lembro do Agildo Barata, um militar que era do partido. Era uma coragem total. Dava o exemplo. Era formidável.

Correio Braziliense – E a Praça da Soberania, na Esplanada dos Ministérios, o senhor desistiu?

Oscar Niemeyer - Eu não desisti, mas eles desistiram. Eu nunca tive muito ânimo de mexer no trabalho do Lucio, que era um amigo, um sujeito muito competente. Aquele projeto, ele fez às pressas, um projeto muito bem pensado. De modo que eu queria dar um tom de espanto a quem fosse a Brasília, que tivesse uma praça que fosse um monumento, mas agora é melhor não mexer mesmo. O Lucio merece cuidado em não mexer em Brasília. Foi ele que fez, com muito empenho. Fez de um dia para o outro.

Correio Braziliense – Não é pela pressão daquele grupo de arquitetos contrários a obra, né?

Oscar Niemeyer - Houve uma pressão, houve uma certa má vontade, sim, porque o governador (Arruda) estava entusiasmado. Mas era difícil fazer. Por outro lado, vi que mexia no projeto do Lucio, isso não me agradava. Eu quero que o projeto dele seja respeitado. Mas a praça poderia dar a Brasília um ar mais monumental. Deixa pra lá. Não tem importância. Brasília está bem. É uma cidade muito calma, muito tranquila. Está tudo bem.

Correio Braziliense – Brasília é um grande orgulho?

Oscar Niemeyer - De vez em quando, encontro um arquiteto de fora que diz que entrou para a Escola de Arquitetura por minha causa. São coisas assim que fazem a gente ficar mais contente com a profissão. Estou satisfeito com meu trabalho. Arquitetura é invenção. É você modificar. O concreto permite tudo. Eu fiz agora na Espanha (em Avilés) um conjunto, uma grande praça com auditório e um museu. Então a praça está fazendo sucesso. Muita gente está visitando a praça. Isso nos dá um certo prazer. É verdade que eu tive muitas oportunidades.

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Correio Braziliense – O senhor teve sorte?

Oscar Niemeyer - É… Tive sorte (risada).

Correio Braziliense – Os engenheiros ajudavam ou atrapalhavam a colocar em prática sua ideia de beleza?

Oscar Niemeyer - Ajudaram muito. Primeiro foi (Joaquim) Cardozo. Depois (Emílio) Baumgart, gênio do concreto. Ele foi o primeiro que fez uma ponte sem apoios. Sobe e encontra no meio. Era um sistema assim naquela época, fantástico. Agora tem o (José Carlos) Sussekind, que é muito inteligente, muito competente. De modo que caminhamos de braços dados, com mais tranquilidade.

Correio Braziliense – Qual é a melhor forma de envelhecer?

Oscar Niemeyer - Envelhecer? É esquecer a velhice e fazendo o que é possível.

Correio Braziliense – E vivendo feliz?

Oscar Niemeyer - Ah… Nós temos coisas que são exemplo de felicidade, mas o mundo é terrível. Os que vão embora e a gente tem que participar do drama. É complicado. Mas a vida é assim. Não acho que o mundo seja muito generoso com alguns… A vida é dura. É difícil. Tem que se arrumar, se organizar para poder atravessar o caminho sem se chatear muito.

Correio Braziliense – O trabalho ajuda a envelhecer?

Oscar Niemeyer - Ajuda também. A família, a minha mulher que está me olhando. Isso tudo ajuda a aguentar a parada com mais tranquilidade. A vida é assim: nasce e morre num sopro. Hoje estava lendo esse livro de Machado de Assis, ele contando da vida dele. Ele teve sorte. Tinha talento. De modo que sempre fez o que gostaria de ter feito. Fazer o que se gosta é fundamental. O sujeito viver contrariado é um horror.

Correio Braziliense – O senhor fez o que gostaria de ter feito?

Oscar Niemeyer - Eu fiz uma parte. Fiz um pouquinho.

Correio Braziliense – Daqui a 200 anos, alguns brasileiros serão lembrados. O senhor e Pelé serão dois nomes mais citados. Isso o deixa feliz?

Oscar Niemeyer - Eu cumpro meu trabalho tranquilamente. Estou de braços dados com os amigos. Isso tudo é importante, é, mas a vida é muito mais que isso. E a vida está correndo.

Correio Braziliense – São muitos amigos?

Oscar Niemeyer - Tenho muitos amigos. Sempre tive muitos amigos. É bom marchar junto. Ter bons amigos é extraordinário. Um apoiar no outro. Mesmo quando entrei no partido, as tarefas que surgiram, os contatos que tive, conheci os sujeitos mais dignos, os intelectuais que lidavam com a gente, e o povo entusiasmado com as pequenas coisas que conseguíamos melhorar. Mas a reforma, a mudança final ainda está de pé.

Correio Braziliense – O senhor se mantém otimista em relação à vida?

Oscar Niemeyer - Eu acho. Eu me proponho à igualdade, à solidariedade. É importante demais para desaparecer porque a maioria é pobre, a maioria é miserável, tem fome.

Correio Braziliense – Mas os políticos só pensam em si mesmos e em enriquecer…

Oscar Niemeyer – Ah bom, mas a burguesia é assim mesmo.

Correio Braziliense – Isso não tem jeito?

Oscar Niemeyer - A luta é antiga. Eu me lembro dos primeiros comunistas da União Soviética, os intelectuais — a gente lia sobre eles. Eram enviados para a Sibéria, eram presos porque começavam a pensar em fazer o mundo melhor. Mas tem gente tão boa. Quando fui à Europa pela primeira vez, fui de navio. Eu ia daqui para a França, então no meio da viagem estourou o golpe aqui. A polícia, como tinha que ser, invadiu meu escritório, invadiu o meu apartamento, se divertiram. Quando cheguei à Europa, o André Malraux (ministro da Cultura da França) compreendeu essa mudança. Ele arranjou com De Gaulle um decreto para eu poder ficar na França como arquiteto francês. Quer dizer, nessas lutas que a gente encontra um braço amigo, a solidariedade, isso tudo satisfaz, dá coragem e fortalece. Eu fiquei na França o tempo que quis, mas quando cheguei aqui… eu não queria vir, até escrevi um texto dizendo que não queria vir porque aqui tinha a polícia, mas eu voltei. Quando cheguei, a polícia estava me esperando, me levaram, eu prestei declarações. Nunca me maltrataram, mas me chamaram lá. Isso incomodava.

Correio Braziliense – Se sentia vigiado?

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer - Eu me lembro uma vez que tinha uma fileira de mesas e me apresentaram a todos os policiais. Era uma coisa que humilhava um pouco.

Correio Braziliense – Os tempos são outros.

Oscar Niemeyer - São, mas ainda há muito a ser feito.

Correio Braziliense – O senhor está confiante no governo do DF?

Oscar Niemeyer - Estou confiante, sim. Conheci o pai dele, que era muito simpático. Amigo nosso. Ele parece ser um rapaz com as mesmas qualidades.

Correio Braziliense – O Agnelo?

Oscar Niemeyer - Não. Estou falando do Sérgio Cabral. Fiz confusão, com o do Rio.

Correio Braziliense – No DF, Agnelo, que é governador, foi comunista…

Oscar Niemeyer - Esse eu não conheço. Conheço o que saiu. Era inteligente e ia fazer um bom governo, mas a vida é assim, com seus contrastes.

Correio Braziliense – Mas o Agnelo teve aqui com o Tadeu Filippelli…

Oscar Niemeyer - O Arruda vinha sempre. Ah, estou me lembrando… Agnelo é muito simpático. Espero que faça um trabalho decente. Brasília merece. É que o Arruda me visitava mais. Agnelo só veio uma vez.

Correio Braziliense – O senhor está satisfeito com o governo Dilma?

Oscar Niemeyer - Até agora, sim. Ela é inteligente, preparada e firme nas posições. Uma pessoa muito capaz e dedicada. Tem tudo para fazer um bom governo. Acho que Dilma fará o povo brasileiro feliz.

Correio Braziliense – Chegou o momento de o povo brasileiro sorrir um pouco mais?

Oscar Niemeyer - Pois é. Chegou a oportunidade. Foram tantos desafios, tantos sofrimentos… É inegável que hoje a populaçao está mais feliz e satisfeita. Mas vida é tão complicada. Tão inesperada… Sorrir certamente ajuda a enfrentar a dureza do cotidiano. Dilma precisar aprender isso.

Correio Braziliense – Mas a sua paixão mesmo é o ex-presidente Lula. Não sente falta dele?

Oscar Niemeyer - O Lula foi ótimo. Ele compreendeu bem o problema da América Latina. Compreendeu o trabalho de Fidel, de Chávez, dessa turma… Sabe o que interessa ao Brasil.

Correio Braziliense – Chávez ainda é uma boa opção, mesmo com tantas críticas à sua tirania, apesar de tantos tropeços?

Oscar Niemeyer – Ele esteve aqui. É uma figura fascinante. Tão inteligente. Eu tenho confiança nele. Tem que ter um brigador. Ele é um guerreiro. Se não brigar, não se faz nada.

Correio Braziliense – E o Fidel ainda o surpreende?

Oscar Niemeyer - Ele se recuperou. Ele escreveu recentemente um artigo tão bom. Falou até da bomba atômica. Um dia ele mandou para mim uma roupa, mas era o dobro do meu tamanho. Com dois metros. Era dele. Roupa de andar no campo. (risos).

Correio Braziliense – Chávez tem apanhado muito da imprensa internacional…

Oscar Niemeyer – Chávez é ótimo. Isso é balela. Ele defende o país dele contra o imperialismo. Defende também a paz na América Latina.

Correio Braziliense – O que achou da visita do Obama ao Brasil?

Oscar Niemeyer - Ainda tenho esperança no Obama. Estou aguardando, com confiança. Mas está demorando para aparecer com o entusiasmo que nós esperávamos. Gosto mesmo é do Lula. Ele soube compreender o problema da América Latina, a posição do Fidel… Está tudo muito bem.

Correio Braziliense – Dilma vai manter a política externa?

Oscar Niemeyer - A gente espera, né? Ela é inteligente, é competente. Mas vamos ver como caminha. Temos esperança. Não podemos retroceder.

Correio Braziliense – A inflação é uma ameaça?

Oscar Niemeyer - Pois é. A vida é complicada e o mundo mais ainda. Ela precisa ter pulso firme, não ceder às pressões, ser ainda mais corajosa.

Correio Braziliense – Em que áreas precisamos avançar para melhorar?

Oscar Niemeyer - Em muitas, mas Lula tem que ter tempo para agir.

Correio Braziliense – Mas ele não vai mais agir. Está fora do governo.

Centro cultural Oscar Niemeyer

Centro cultural Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer - Mas ele tem força popular. É estimado. Foi uma pessoa muito importante para o Brasil. Por trás, ele tem influência. Deve ser ouvido. Ele precisa ficar do lado dela nessas horas, nesses momentos delicados. Lula o povo entende mais.

Correio Braziliense – E ele voltará à presidência?

Oscar Niemeyer - Lógico. Acho que, se ele quiser, volta. Ele é muito estimado.

Correio Braziliense – Quando o senhor vai voltar a Brasília?

Oscar Niemeyer - Eu vou. Não tenho data marcada ainda não. Quando for preciso, eu vou. Quero voltar lá.

Correio Braziliense – Sua obra da Torre Digital está parada. O que acha disso?

Oscar Niemeyer - Pois é. Parece que faltou dinheiro. Ainda estou com esperança neste governo, mas as coisas custam a andar. A torre estava entusiasmando o povo. Monumento assim marcando a cidade. Mas… na época de JK, as coisas eram diferentes. Naquela época, era muito bom porque tinha Israel Pinheiro. Lidei com ele. Era um sujeito honesto, corajoso, entusiasmado, era um companheiro indispensável. Sempre satisfeito, sempre sorrindo. Sempre contente. Isso transmite a mesma coisa. Por mais que o barco vá caminhar. Quando desce o pessimismo e a coisa escurece, fica pesado. A vida já é tão injusta. Ficar sem andar é uma m…. Não ando há um tempinho, mas tô firme, tô pelejando.

Correio Braziliense – O senhor ainda tem medo de avião?

Oscar Niemeyer - Eu detesto avião. Um dia estava almoçando com JK e ele disse: olha vamos sobrevoar de helicóptero, se você não vier, mando te prender. Eu fui no helicóptero com ele. Mas era horrível quando parava. Quando andava, tudo bem, estava no jogo. Mas esse desastre que houve no caminho para a França, tinha um alemão que tinha vindo me pedir um projeto. Ele veio e ficou aqui uns dois dias, um sujeito esportivo, alegre, contente, jovem. Pegou o avião e entrou pelo cano. Não vou dar bobeira. Avião é uma incerteza. Eu já andei muito de avião. Fui à Europa, com a Vera. Não me queixo. Vera viu. Fico quietinho. Não faço cena, mas detesto. A mecânica pode falhar.

Correio Braziliense – E as recordações de Juscelino? Qual e a lembrança mais forte?

Oscar Niemeyer - Eu me lembro um dia em que estava sentado com ele e telefonaram da polícia me chamando. Ele disse que não poderia me deixar ir porque precisava de mim em Brasília. Foi engraçado, porque eu estava sentado com ele, quando telefonaram. Passaram-se 15 dias e eu tive de prestar declarações. A vida é complicada.

Correio Braziliense – O senhor gostou do que viu em Brasília quando esteve lá da última vez?

Oscar Niemeyer - Brasília caminha bem. O governador que saiu era muito bom e esse agora deve ser também.

Correio Braziliense – Mas Brasília já começa a ter problemas, como de trânsito…

Oscar Niemeyer - Isso é inevitável. Passei um tempo em Paris e o problema do trânsito era muito sério. Tiraram os carros das ruas e melhorou. Se uma família abastada tem cinco carros, não dá, não. Vai ser preciso repensar seriamente a questão do transporte público.

Correio Braziliense – Do Rio o senhor gosta muito mais, não é?

Oscar Niemeyer - Adoro o Rio. Não saio daqui para nada.

Correio Braziliense – Mas também com essa vista do seu escritório…

Oscar Niemeyer – É fantástica. O mar é uma inspiração constante.

Correio Braziliense – O senhor gosta de música?

Oscar Niemeyer -Gosto muito. Eu tocava um pouco de violão e até toquei com o Jobim. Gosto do Wando, do Jorge Aragão. Outro dia fiz um samba. Querem ouvir o samba? Fiz no hospital. Fiz de brincadeira. A letra é política. A vida é um samba-enredo, né?

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer, 100 anos: ‘o pobre está na favela olhando os palácios’

Entrevista: Oscar Niemeyer
A Paulo Henrique Amorim [Conversa Afiada]

Oscar Niemeyer concedeu uma entrevista sobre seu centenário, em seu apartamento, em Copacabana, no Posto 6, a Paulo Henrique Amorim, exibida na Recordnews e, em parte, no Domingo Espetacular. Niemeyer falou de Prestes, de Guevara, de Lula e, principalmente, da arquitetura.

Niemeyer falou de Luiz Carlos Prestes, o líder comunista, de quem foi amigo pessoal e a quem protegeu para re-fundar o Partido Comunista. Quando Paulo Henrique Amorim perguntou o que ele faria se Che Guevara entrasse pelo apartamento adentro e lhe chamasse para participar de uma revolução comunista, Niemeyer respondeu que não tinha mais idade para isso, mas que ajudaria Guevara no que fosse possível, porque o considera um grande homem.

Niemeyer elogiou também o Presidente Lula: porque é um líder operário, que trabalha para ajudar o povo. Niemeyer acha que, apesar de tudo, o Brasil está no caminho certo, a economia cresce, a situação do povo melhora e a renda se distribui. Niemeyer elogiou a posição de Lula e de Chávez porque contribuem para afirmar o papel da América Latina diante dos Estados Unidos.

Niemeyer também diz que uma vez, em Moscou, os arquitetos soviéticos lhe perguntaram o que achava da arquitetura soviética. Ele disse que tinha muitas afinidades com eles, mas que a arquitetura não era boa, porque as colunas eram muito próximas umas das outras, não havia espaços.

Niemeyer também contou que, uma vez, o Partido Comunista Francês recomendou que ele não fosse prestigiar uma conferência do Sartre. Um dirigente do PCF disse que o Picasso era muito indisciplinado e não acatava o Partido. Niemeyer conta que não foi à conferência, mas mandou uma carta a Sartre para dizer que concordava com suas idéias.

Niemeyer diz que casou com a secretária Vera, aos 99 anos, porque é sempre importante estar ao lado da mulher que se ama. Ele concluiu a entrevista ao dizer que chegava de falar de arquitetura, porque o importante mesmo é mulher.

A entrevista se travou na biblioteca de Niemeyer e diante da cadeira dele há uma fotografia de um amigo francês e três mulheres nuas, numa praia no Sul da França. Duas de barriga para cima e uma de barriga para baixo. Quando Paulo Henrique lhe perguntou sobre a foto, Niemeyer falou: “é uma beleza”.

16/12/2007 – Pontos da entrevista

Paulo Henrique Amorim – Devo chamá-lo como?

Oscar Niemayer – Oscar.

Paulo Henrique Amorim – Oscar, a nossa conversa tem como propósito celebrar, no dia 15 de dezembro, os seus cem anos.

Oscar Niemayer – Você sabe que eu fiz um artigo na IstoÉ em que eu contava uma conversa que eu tive comigo mesmo, com esse ser misterioso que tem dentro de nós. Então eu dizia para mim mesmo: “Oscar, não vai nessa conversa de cem anos, isso é ridículo, não tem interesse nenhum, não cai nessa…” e eu sou obrigado, às vezes, a participar da conversa.

Paulo Henrique Amorim – Mas o senhor tem uma frase muito bonita que diz que “a vida é um sopro”. Mas o seu sopro já dura, pelo menos, cem anos.

Oscar Niemayer – É o destino… não sei. Eu olho para trás, não sou como os outros que dizem que fariam tudo igual, eu faria muita coisa diferente. A vida é difícil, a vida nos leva nas coisas que às vezes a gente não quer. Eu me lembro do Jorge Saldanha que vinha aqui quase todos os sábados e dizia, se queixava, “a gente não pode fazer plano nenhum que o destino muda, não é? A vida é cheia de surpresas”. A própria situação internacional depende do inesperado, acontece qualquer coisa e muda tudo. De modo como vive assim uma posição muito precária e que vindo de baixo do universo e achando que é importante, na realidade pouca coisa é importante. A vida é um sopro, a gente vem, conta uma história e todo mundo esquece depois.

Paulo Henrique Amorim – Mas não no seu caso. As suas histórias são de concreto, ficam para sempre.

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemayer – É, enfim. Trabalhei, não posso me queixar. O primeiro trabalho que eu fiz em Pampulha foi tendo sucesso, eu trabalhei para JK naquela ocasião, eu me lembro que Pampulha foi o início de Brasília, não é? A mesma correria, a mesma angústia, a mesma preocupação com prazo, e tudo correu bem, Pampulha com a Igreja assim diferente, coberta de curvas, ele ficou satisfeito. Tudo isso eu acredito, deu ao JK um ânimo assim para tocar para Brasília. Eu me lembro que ele me procurou e disse, “Oscar, fizemos Pampulha, agora vamos fazer a nova capital”. E começou essa aventura que durou alguns anos e que deu, pelo menos, ao povo brasileiro a sensação de um pouco de otimismo diante do futuro que agora a gente vê com um certo prazer. A gente sentindo que o Brasil está bem conduzido, que o presidente é operário e está, pela própria origem, ligado ao povo, que o Brasil está crescendo para ser um país importante, a América Latina está se unindo contra essa aventura do império do Bush.

Paulo Henrique Amorim – O senhor não gosta do Bush?

Oscar Niemayer – Eu acho que ele é um merda, sabe.

Paulo Henrique Amorim – (risos) é muito simples. Mas deixa eu voltar um pouquinho aos cem anos. Os cem anos, a gente pode enumerar uma série de defeitos dos cem anos, mas tem vantagens nos cem anos também, não tem?

Oscar Niemayer – O pessoal fica mais condescendente, tratando a gente melhor.

Paulo Henrique Amorim – Mais generoso… não é?

Oscar Niemayer - …com pena. Cem anos dá pena não dá prazer. Eu ia passar os cem anos sem muita alegria. A vida passou, eu procurei ser correto, trabalhar, mas não estou contente, na verdade não traz nenhum prazer.

Paulo Henrique Amorim – Nada?

Oscar Niemayer – Não. Só se o sujeito pensar que é importante, e eu acho isso tão ridículo, se ele pensar que é importante ele está fora do mundo.

Paulo Henrique Amorim – Mas nem o Oscar Niemayer é importante?

Oscar Niemayer – A nossa política agora é um pouco diferente, é ligada à arquitetura, mas sempre procurando resolver o problema do jovem. Nós estamos pensando no Brasil, no sujeito que entra para a escola sem ler um livro e depois é formado, sai da escola como um especialista só falando da sua profissão e o mundo pede gente diferente, que se interesse, que converse, saiba alguma coisa. Nós, por exemplo, aqui no escritório nós temos um professor de filosofia há cinco anos. Ninguém quer ser um intelectual…

Paulo Henrique Amorim – O senhor estuda filosofia?

Oscar Niemayer – Há cinco anos. Mas ninguém tem esse interesse agora.

Paulo Henrique Amorim – Mas, qual é esse seu interesse por filosofia agora?

Oscar Niemayer – A gente quer se informar melhor sobre tudo, aprender outras coisas. O importante é a pessoa ser curiosa. Não é um interesse de um intelectual, é um interesse de um sujeito normal que sente a vida, que é solidário, que acha que o mundo pode ser melhor, que um dia o homem possa ter prazer em ajudar o outro, é isso que é a generosidade num certo sentido. E o ser – humano, é verdade, a perspectiva dele é muito pouco.

Paulo Henrique Amorim – É muito pouco?

Oscar Niemayer – A própria natureza está começando a evoluir, já falam que o sol pode crescer, pode queimar tudo, essas teorias todas, a gente tem que querer, ter vontade de participar, ter uma idéia também, para onde nós vamos… não é? De modo que o que eu acho importante é o jovem ler, se informar, ter uma base patriótica, saber que o Brasil é importante. Antigamente não era preciso falar muito em pátria não, mas hoje tem que falar. A América Latina está ameaçada, nós temos que nos unir, o que eu acho que é importante é ter uma visão geral do mundo.

Paulo Henrique Amorim – Você se considera um patriota?

Oscar Niemayer – Entre nós, geralmente os nossos irmãos militares, a gente traz a idéia da pátria no peito, porque a própria profissão obriga. Quando precisamos dessas autoridades, eles são indispensáveis. É lógico que eu penso o Brasil, penso o povo brasileiro, satisfeito, porque eu estou sentindo que o Brasil está caminhando melhor, vai ser um grande país. A juventude começa a compreender que a vida não é um passeio, que tem que se informar, o jovem tem que ler, participar da vida, se informar, não pode se transformar num especialista que só fala em arquitetura, que só fala em teoria, em medicina…

Paulo Henrique Amorim – O senhor não gosta de falar muito em arquitetura, não é?

Oscar Niemayer – Quando vêm estrangeiros aqui, repórteres estrangeiros, eles realmente querem que eu fale o que eu fiz, os projetos, me dá uma preguiça de falar. A Arquitetura é importante, é a minha profissão, passei a vida debruçado na prancheta. Mas o importante é a vida, fazer a vida mais justa, isso é o que é importante e eles ficam assim e logo para eles sentirem bem o meu ponto de vista eu digo: “vocês sabem, quando eu vejo os estudantes na rua protestando, acho que o trabalho deles é mais importante do que o meu”.

Paulo Henrique Amorim – Você soube que foi feita uma enquete agora para localizar os cem maiores gênios vivos.

Oscar Niemayer – Eles se enganaram, eu não tenho que estar nisso não…

Paulo Henrique Amorim – E você está entre os dez maiores dos cem. Isso não é uma coisa que te dá alegria?

Oscar Niemayer – Não… quem é que julgou? Quem é que procedeu? Tem tanta gente mais importante.

Paulo Henrique Amorim – Por exemplo?

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemayer – Ah… tem tanta gente… são tão importante. A vida é ingrata, é injusta. Eu acho que a gente tem é que… não devemos manter uma posição assim, de falar das coisas, mas por agir. Por exemplo, tem um colega meu aí, ele queria ser arquiteto, mas era muito humilde, ele não podia ser. Então eu estou pagando a escola dele, no fim do ano ele vai ser arquiteto. Mas ele tem um compromisso comigo, ele tem que ler. Então ele já sabe, tem que ler Machado de Assis, tem que ler Graciliano Ramos, tem que ter uma idéia da vida. É preciso, a leitura é indispensável. Eu me lembro que teve um período que eu já muito li muito o Simenon, escritor francês de contos policiais. O pessoal do escritório falava, “para quem ler isso, esse negócio não tem conteúdo nenhum”. Mas, um dia eu li um livro do Sartre, onde ele dizia, “hoje li três livros de Simenon”. Então, se Sartre leu três livros de Simenon, a leitura é necessária, qualquer leitura é necessária.

Paulo Henrique Amorim – Mas Oscar, por mais que você tenha resistência em falar de arquitetura, um grande amigo seu, que é meu amigo também, o Ítalo Campofiorito deu uma entrevista dizendo assim, “Que o Oscar, ele faz obras tão grandes que acabam se tornando a marca, a cara, a personalidade de uma cidade”.

Oscar Niemayer – É um amigo que está falando, não é? Mas é bom, é verdade, eu procuro fazer uma arquitetura diferente. Acho que a arquitetura tem que criar espanto, criar surpresa, é feito a obra de arte, a obra de arte se caracteriza quando ela provoca emoção e surpresa. Então, a arquitetura, ter uma arquitetura diferente, é importante, é a prova da criação. De modo que eu trabalho nisso, eu tenho um projeto para fazer, eu estou nesse caminho, eu tiro metade dos apoios, a arquitetura se faz mais audaciosa, não é, com espaços mais generosos, aí eu posso atuar de uma forma diferente, o que ocorre sem nenhum preconceito antes. Um dia perguntaram ao André Malraux uma pergunta semelhante e ele disse, “eu tenho dentro de mim tudo o que eu amei na vida”, isso às vezes me ocorre, de modo que a coisa é espontânea, eu acho que a arquitetura está na cabeça, eu posso, sentado aqui, pensar dois dias num projeto levantar e desenhar. Agora, o desenho é importante também porque surge uma idéia… mas a arquitetura não tem nada de especial. Hoje o concreto permite tudo, no período da renascença, por exemplo, sujeito queria fazer uma cúpula, não passava de quarenta metros de vão. Eu fiz agora o museu de Brasília, tem 80 metros de vão, eu podia ter feito de 150 metros de vão. O arquiteto hoje tem à disposição dele uma técnica fantástica. Ele pode usar como bem entender. Agora, alguns arquitetos procuram fazer alguma coisa mais simples, como se fosse estrutura metálica, outros, como eu, procuram uma forma diferente, a surpresa, e faz parte da arquitetura.

Paulo Henrique Amorim – Por que é que os brasileiros, por exemplo, não se dão conta de que um dos prédios mais lindos de Nova York é de sua autoria, o prédio da ONU?

Oscar Niemayer – Foi da minha autoria. Um dia houve um concurso e escolheram o meu projeto. Nesse projeto eu criava a Praça das Nações Unidas. Tinha um prédio alto no centro, uma grande Assembléia de um lado, outro prédio do outro, então era muito bonito. E foi por unanimidade que escolheram esse projeto. Mas depois, eu mesmo permiti mudar a posição da Assembléia e o projeto mudou, o projeto com a Assembléia grudada em um prédio alto, não é de boa arquitetura.

Paulo Henrique Amorim – Você próprio não gosta muito.

Oscar Niemayer – Eu me arrependo de ter aceitado mudar a posição da assembléia.

Paulo Henrique Amorim – Foi um pedido do Corbusier, não foi?

Oscar Niemayer – Eu era jovem e ele era um mestre e eu atendi, mas foi péssimo, o projeto original era muito melhor.

Paulo Henrique Amorim – A sua memória é perfeita, não é isso? Com cem anos a sua memória está ótima.

Oscar Niemayer – Para algumas coisas sim, para outras não. As coisas ruins eu procuro esquecer.

Paulo Henrique Amorim – Mas, uma vez você estava com um amigo, num restaurante aqui da Avenida Atlântica, o Lucas, e eu estava com a minha filha, que tinha acabado de chegar de Brasília, eu fui mostrar a ela a capital do Brasil. Eu disse para ela, “minha filha, quem está ali é o Oscar Niemayer”, e ela, “Ah, aquele da catedral, do Palácio da Alvorada”, eu digo, “pois é, vamos lá conhecê-lo?”, e eu levei a minha filha para conhecê-lo. Você foi muito gentil, muito simpático e ela perguntou, “como veio à sua cabeça a idéia de fazer aquelas duas bolas do Congresso?”. Aí você pegou uma laranja… lembra disso?

Oscar Niemayer – Não.

Paulo Henrique Amorim – Pegou uma laranja, cortou ao meio e disse, “assim ó”.

Oscar Niemayer – Realmente, o projeto do Congresso é o que eu gosto mais. Fui um pouco corajoso fazer aquilo, aquilo deu mais trabalho do que parece, não era feito cortar uma laranja. Eu me lembro que tempos depois o engenheiro que calculou, o Joaquim Cardoso, me telefonou e disse, “Oscar, encontrei a tangente que vai permitir que a cúpula da Câmara pareça apenas posada.” De modo que fazer uma forma assim, já conhecida, tem problemas de estrutura, enfim, não é fácil de fazer. Eu gosto, o espaço entre elas é bom, o espaço faz parte da arquitetura.

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Paulo Henrique Amorim – Mas e aquelas curvas do Palácio da Alvorada, o mundo inteiro copia as suas curvas.

Oscar Niemayer – Você vê que nós estamos com a idéia do prazo na cabeça, tinha que correr. Mas isso não me levou, felizmente, a procurar a solução mais simples, repetida. Em cada caso eu queria uma solução nova. Então eu cheguei àquela solução, dos apoios em curva que eu vi publicado pelo mundo e sem mágoa nenhuma. Quando o sujeito copia uma coisa minha eu acho que ele é gentil, ele gostou daquilo. Há pouco tempo saiu nos Estados Unidos uma nota dizendo que um arquiteto lá tinha copiado um arco que eu fiz ali num projeto. Eu disse logo que não, que não estava zangado não, ele gostou do arco, ele foi gentil.

Paulo Henrique Amorim – É um elogio, o plágio é uma forma de elogio.

Oscar Niemayer – O difícil no mundo, é uma prática que eu faço e realmente é útil, é sempre procurar viver tranqüilo, aceitar as coisas, aceitar a burrice, até a burrice ativa que incomoda.

Paulo Henrique Amorim – A burrice ativa? E tem muito burro ativo, não é? Tem burros dinâmicos.

Oscar Niemayer – Pois é, é respeitar os amigos. Eu sou incapaz de criticar algum arquiteto. Eu acho que ele teve trabalho, procurou fazer, a solução que ele pensou é aquela. Mas o importante na arquitetura é o arquiteto fazer o que ele gosta e não o que os outros gostariam que ele fizesse, esse é o ponto de partida.

Paulo Henrique Amorim – O JK foi o homem público que você mais admira?

Oscar Niemeyer – Não, tem tantos homens públicos… Eu admiro ele, eu admiro a coragem dele, o espírito de empreendedor, de fazer Brasília. tem tanto brasileiro importante. Importante como ele. Por exemplo, uma pessoa que eu admiro muito é o Capanema, que eu lhe dei durante muito tempo.

Paulo Henrique Amorim – Gustavo Capanema, o ministro da Educação.

Oscar Niemeyer – Ministro da Educação, chamou Drummond, foi Capanema que me chamou para Brasília.

Paulo Henrique Amorim – E foi para fazer o prédio do MEC, o primeiro prédio do Ministério da Educação.

Oscar Niemeyer – Não, o prédio é do Corbusier, nós melhoramos. Agora, o trabalho que ele me chamou para fazer Brasília. O Juscelino apareceu e ele me indicou. Essa história mostra que as coisas surgem naturalmente. Eu trabalhava numa universidade e não gostei da universidade, pedi demissão, Capanema não aceitou a minha demissão e deixou para mim um bilhete. Eu fiquei um ano lá, ajudando, uma coisa e outra ligada a arte, com o Drummond, aquela turma do gabinete dele e ficamos muito amigos. Então, quando veio o Juscelino, ele me indicou. Quer dizer, se eu não tivesse brigado na universidade e saído e o Capanema me chamado para o gabinete, não aceitando a minha demissão, eu não tinha ficado amigo dele, e ele não me indicaria. Capanema foi fundamental na minha vida de arquiteto.

Paulo Henrique Amorim – Como está a encomenda que o Chávez fez, de fazer um Memorial para o Bolívar?

Oscar Niemeyer – Não, não tem encomenda. Ele esteve aqui, muito simpático, falou muito em Bolívar. Eu tinha idéia de um monumento e mandei para ele como presente. E admiro, é um sujeito patriota, ele quer melhorar o país, ele acha que um bom governo pode continuar mais tempo…

Paulo Henrique Amorim – Isso para você não é uma coisa grave?

Oscar Niemeyer – Não, acho que ele tem o direito, ele está no clima de revolução, ele tem que defender a revolução e lutar contra tudo. Me lembro, por exemplo, uma vez eu fiz uma mesquita em Argel. E o presidente da República, (Houari) Boumedienne, foi um grande general lá. Eu levei a mesquita para ele e eu me lembro que ele disse assim: “Mas essa é uma mesquita revolucionária”. Eu disse: “A revolução não deve parar”. Eu estava tão certo. A revolução não deve parar. A revolução tem que continuar brigando, senão ela acaba, se as forças contrárias fossem crescendo. De modo que a Revolução Cubana ainda existe. Qualquer revolução dessas – o Chávez também –, os inimigos da revolução estão lá. A revolução está em curso, não sumiu ainda. E quando sumir tem que continuar testando a continuidade.

Paulo Henrique Amorim – Você diria que hoje você é politicamente mais radical do que 50 anos atrás?

Oscar Niemeyer – Não. Eu desculpo muito as pessoas. Eu custo muito a ter raiva de uma pessoa. Acho que toda pessoa tem um lado bom. Eu sou incapaz de criticar o trabalho de um arquiteto, mesmo que eu não esteja de acordo. A gente tem que procurar o equilíbrio, isso é que faz bem inclusive para a saúde.

Paulo Henrique Amorim – Como é que está a saúde?

Oscar Niemeyer – Eu nunca tive doente.

Paulo Henrique Amorim – Nada?

Oscar Niemeyer – Nada.

Paulo Henrique Amorim – Como é que é a sua dieta?

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer – Vida normal, como de tudo.

Paulo Henrique Amorim – Come de tudo?

Oscar Niemeyer – Como muito pouco, não gosto de comer muito. Tomo meu vinho de tarde.

Paulo Henrique Amorim – Vinho tinto?

Oscar Niemeyer – É. Os amigos que batem papo, isso ajuda.

Paulo Henrique Amorim – Fuma?

Oscar Niemeyer – Fumo. Agora estou fumando mais.

Paulo Henrique Amorim – Mais?

Oscar Niemeyer – É, porque eu fico meio sozinho, aí sou obrigado a fumar.

Paulo Henrique Amorim – Mas o médico não reclama? O coração, essas coisas.

Oscar Niemeyer – O médico vem aqui de vez em quando, eu chamo ele para bater papo, para dizer que está tudo bem, me sinto à vontade.

Paulo Henrique Amorim – E fuma na frente dele?

Oscar Niemeyer – Ele diz que posso fumar.

Paulo Henrique Amorim – E qual é a sua rotina de trabalho?

Oscar Niemeyer – Eu chego aqui, tenho que atender a imprensa. Tem gente de fora, gente do Brasil, gente que tem vontade de me conhecer. Então, meus dias são ocupados. Às vezes tem um dia mais folgado e eu chamo os amigos e começamos a trabalhar. Aí trabalho o que for preciso.

Paulo Henrique Amorim – Noite a dentro, se for preciso?

Oscar Niemeyer – Não, não tenho trabalhado de noite.

Paulo Henrique Amorim – Mas nesse momento você faz o que, por exemplo?

Oscar Niemeyer – O último trabalho – estou com ele na prancheta – é um museu para a Espanha. É um museu que me agrada muito, que é uma praça grande e tem um auditório para mil pessoas e o museu do outro lado. Então, é feito um monumento para ser criado na Espanha. O museu é uma coisa nova, diferente e o auditório também, o teatro. De modo que interessa muito. Mas tem esse trabalho que eu estou fazendo para o governador de Brasília que é importante. Eu inventei uma cúpula que é uma placa solta no ar com cem metros por oitenta. Essa placa podia abrigar um campo de futebol.

Paulo Henrique Amorim – E isso vai ser o que?

Oscar Niemayer – Isso vai ser para as grandes festas populares. Embaixo dessa placa ele vai poder convocar de trinta a quarenta mil pessoas. De modo é um trabalho assim que me anima mais. E, além disso tem um circo e um auditório. Então, uma obra para Brasília é muito importante.

Paulo Henrique Amorim – É uma praça do povo.

Oscar Niemayer – Também estou fazendo para Minas um projeto que está dando trabalho. Eu quero substituir aqueles prédios antigos, como é que chamava aquilo? No lugar daquelas construções antigas vou fazer um novo centro administrativo.

Paulo Henrique Amorim – Ah, o novo centro administrativo do Governo de Minas, em Belo Horizonte. É você que vai fazer?

Oscar Niemayer – Já está entregue tudo…

Paulo Henrique Amorim – Já está andando? Já está entregue?

Oscar Niemayer – Então, com isso, adotei nesse caso uma arquitetura mais em altura, invés de fazer quarenta secretarias, ou trinta e tantas, eu fiz só duas.

Paulo Henrique Amorim – Duas?!

Oscar Niemayer – Dois prédios de duzentos metros com vinte andares. Então, com essa solução, o terreno pareceu que tinha crescido. Os planos ficaram mais generosos. É engraçado que o prédio do Palácio (do Governador), que eu projetei também, é direta. Então, é uma solução tão esclarecida, sob o ponto de vista da arquitetura, que eu rejeitei e nunca fiz isso, projetei uma ruazinha defronte para depois de construir o conjunto o pessoal passar e sentir que foi uma obra bem pensada. A arquitetura deve ser usada com coragem, assim, sem medo de espantar as pessoas.

Paulo Henrique Amorim – Você está construindo uma nova cidade em Belo Horizonte. Eu pergunto, olhando para trás, 50 anos para trás, você acha que Brasília deu certo?

Oscar Niemayer – Eu acho, Brasília deu certo, é isso que ele (JK) queria, levar o progresso para o interior e eu acho que ele levou. Tem problemas em Brasília, por exemplo, tem as cidades satélites que tem mais gente que em Brasília.

Paulo Henrique Amorim – Do que em Brasília propriamente dito.

Oscar Niemayer – Brasília é aquilo. Eu gosto mesmo é do Rio. Do Rio da praia, dos amigos, de olhar para o mar, de sentir que a natureza é fantástica.

Paulo Henrique Amorim – E São Paulo?

Oscar Niemayer – São Paulo é isso, as ruas eram estreitas, os prédios subiram, as ruas continuaram da mesma largura, ficou um prédio contra o outro. O único lugar do mundo que eu conheço que arquitetura e altura são tão bem aplicadas é na França, na Île-de-France. Île-de-France, os prédios grandes, mas os espaços horizontais acompanham os prédios também, são mais generosos, mostram essa relação de volume e espaço livre tão bem cuidada. Então é muito bonita, a Île-de-France. Agora, usar arquitetura e altura sem esse sentimento de compreensão dos espaços, como Nova York por exemplo, é uma merda.

Paulo Henrique Amorim – Mas São Paulo é Nova York multiplicada por dez.

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemayer – Pois é, eu estou dizendo. Estou dizendo que São Paulo é ruim também porque é o mesmo espírito. Não há essa relação de volume e espaço livre que a boa arquitetura exige.

Paulo Henrique Amorim – Você conhece essa frase do Chico Buarque, “a música do Tom é uma casa desenhada pelo Niemayer”.

Oscar Niemayer – Nós estamos fazendo uma revista de arquitetura, (como a que) tivemos uma há tempos atrás.

Paulo Henrique Amorim – A Modulo?

Oscar Niemayer – Agora é outra. O nome da revista é Nosso Caminho. A idéia que dá é o nosso caminho para frente. Então, nessa revista, a arquitetura tem uma terça parte, o resto artigos variados, filosofia, história, letras. Mas essa revista, nós já estamos pensando no meio da revista uma página com um retrato do Chico e um textozinho. É uma homenagem da revista, desse primeiro número para o Chico.

Paulo Henrique Amorim – E quem é que dirige a revista, é você?

Oscar Niemayer – Não, quem dirige é a minha mulher. Eu cuido assim das coisas de organização das páginas.

Paulo Henrique Amorim – Da paginação, a parte gráfica.

Oscar Niemayer – É.

Paulo Henrique Amorim – Que legal, quando sai essa revista?

Oscar Niemayer – Está pronta, estamos acertando os textos e tudo. É uma revista assim, aberta para o conhecimento. São artigos, tem artigos do Ferreira Gullar, tem artigo do…

Paulo Henrique Amorim – Do Gullar deve ser sobre artes plásticas.

Oscar Niemayer – Artes plásticas, tem artigo do Fiori.

Paulo Henrique Amorim – José Luiz Fiori.

Oscar Niemayer – São cinco artigos, os mais variados.

Paulo Henrique Amorim – E seu não tem nenhum?

Oscar Niemayer – Tem meu também.

Paulo Henrique Amorim – Sobre o que?

Oscar Niemayer – Eu estou querendo usar um artigo que eu falei sobre arquitetura também. Mas sem fugir do assunto da vida.

Paulo Henrique Amorim – Mas você roda, roda, roda e volta para a arquitetura.

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer – Se você concordar que nós fazemos arquitetura para o poder, a arquitetura não chega aos barracos. Então, a arquitetura que deve crescer em função da técnica e da sociedade, está faltando essa parte. Ela evoluiu, a arquitetura hoje é mais rica, imensamente mais rica, como solução técnica do que antigamente. Mas continua voltada para os que têm direitos à arquitetura, às classes mais favorecidas. O pobre está na favela olhando os palácios.

Paulo Henrique Amorim – Você diria que seria, em resumo, o seguinte: eis o que lhes devia dizer sobre a minha arquitetura, feita com coragem e idealismo, mas consciente de que o importante é a vida. Os amigos e esse mundo injusto que precisamos melhorar.

Oscar Niemeyer – Exatamente.

Paulo Henrique Amorim – Mas isso é seu.

Oscar Niemeyer – É, é o que eu penso.

Exposições Individuais

1964

Brasília DF – Oscar Niemeyer, 90 Dias em Israel, no Hotel Nacional
Rio de Janeiro RJ – Oscar Niemeyer, 90 Dias em Israel

1965

Paris (França) – Oscar Niemeyer, L’Architecte de Brasília, no Musée des Arts Décoratifs

1969

São Paulo SP – 70 Projetos Mais Importantes de Oscar Niemeyer, na FAU/USP

1980

Florença (Itália) – Individual, no Claustro Santa-Croce

Paris (França) – Individual, no Musée National d’Art Moderne. Centre de Création Industrielle

Veneza (Itália) – Individual, no Palazzo Grassi

1983

Rio de Janeiro RJ – Individual, no MAM/RJ

1986

Brasília DF – Individual, no Congresso Nacional

1987

Curitiba PR – Oscar Niemeyer 80 Anos, no Palácio do Iguaçu

Rio de Janeiro RJ – Oscar Niemeyer 80 Anos, no MAM/RJ

Turim (Itália) – Oscar Niemeyer Architetto, no Palazzo Vela

1988

Rio de Janeiro RJ – Oscar Niemeyer: alguns desenhos, um monumento e seu mais recente projeto, na Galeria Anna Maria Niemeyer

1989

Compenhague (Dinamarca) – Individual, no Dansk Arkitektur Center – Gammel Dok

1990

Barcelona (Espanha) – Individual, na Fundació la Caixa

1994

Rio de Janeiro RJ – Como Nasce a Arquitetura, na Fundação Oscar Niemeyer

1995

Rio de Janeiro RJ – Oscar Niemeyer: desenhos e croquis, na Galeria Anna Maria Niemeyer

1997

Niterói RJ – Oscar Niemeyer: a arquitetura e a vida, no MAC/Niterói

Salvador BA – Oscar Niemeyer: desenhos e croquis, na Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Arquitetura

São Paulo SP – Os Museus de Oscar Niemeyer, no MAM/SP

São Paulo SP – Oscar Niemeyer 90 Anos, na Fundação Memorial da América Latina

1999

Niterói RJ – Oscar Niemeyer: esculturas, no MAC-Niterói

2001

Lisboa (Portugal) – Oscar Niemeyer 2001, no Parque das Nações. Pavilhão de Portugal

2003

Rio de Janeiro RJ – Individual, na Galeria Anna Maria Niemeyer

2004

São Paulo SP – Oscar Niemeyer, no Instituto Tomie Ohtake

Exposições Coletivas

1979

São Paulo SP – 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1981

Brasília DF – Mostra de Artes Plásticas de Arquitetos, no Instituto de Arquitetos do Brasil. Direção Nacional

1983

Chicago (Estados Unidos) – From Aleijadinho to Niemeyer, no Illinois Institute of Tecnology

Nova York (Estados Unidos) – From Aleijadinho to Niemeyer, na ONU

1984

São Paulo SP – Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal

1986

Havana (Cuba) – 2ª Bienal de Havana, na Plaza de Armas do Castillo de la Real Fuerza

1988

São Paulo SP – De Gaudí a Niemeyer, na Traço Galeria de Arte

Nova York (Estados Unidos) – Brazil Projects, no P. S. 1

1989

Genebra (Suíça) – Homenagem aos 40 Anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem, no Palácio das Nações

1990

Brasília DF – Brasília, 30 Anos, na Performance Galeria de Arte

São Paulo SP – Croquis – a Criação do Arquiteto, no Instituto de Arquitetos do Brasil. Departamento de São Paulo

1991

Rio de Janeiro RJ – É um Rio que Flui em Nossas Vidas, no Instituto de Arquitetos do Brasil. Departamento do Rio de Janeiro

1992

Rio de Janeiro RJ – Saudades do Brasil: a era JK, no MAM/RJ

São Paulo SP – Saudades do Brasil: a era JK, no Masp

1993

La Paz (Bolívia) – 3ª Bienal Internacional de Arquitetura – 1º prêmio

Rio de Janeiro RJ – Mostra Latino-Americana de Arquitetura, no Rio Design Center

São Paulo SP – Mostra Latino-Americana de Arquitetura, no Museu da Casa Brasileira

São Paulo SP – 2ª Bienal Internacional de Arquitetura – Sala Especial a Oscar Niemeyer, na Fundação Bienal

1996

Veneza (Itália) – 6ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza, no Pavilhão do Brasil nos Jardins Giardini – Prêmio Leão de Ouro

1997

Brasília DF – 10 Anos de Brasília: patrimônio cultural da humanidade, no Teatro Nacional Cláudio Santoro

1998

Rio de Janeiro RJ – O Rio Jamais Visto, no CCBB

1999

São Paulo SP – Cotidiano/Arte. O Consumo. Paratodos, no Itaú Cultural

São Paulo SP – Década de 50 e seus Envolvimentos, na Jo Slaviero Galeria de Arte

2000

Valência (Espanha) – De la Antropofagia a Brasilía: Brasil 1920-1950, no IVAM. Centre Julio Gonzáles

2001

Rio de Janeiro RJ – A Imagem do Som de Antônio Carlos Jobim, no Paço Imperial

2002

Brasília DF – JK – Uma Aventura Estética, no Conjunto Cultural da Caixa

Niterói RJ – A Recente Coleção do MAC, no MAC/Niterói

São Paulo SP – Da Antropofagia a Brasília: Brasil 1920-1950, no MAB/Faap

2003

São Paulo SP – Escultores – Esculturas, na Pinakotheke

São Paulo SP – Israel e Palestina: dois estados para dois povos, no Sesc Pompéia

São Paulo SP – Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no Instituto Tomie Ohtake

2004

Rio de Janeiro RJ – Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no MNBA

2005

Niterói RJ – A Poética da Forma, no MAC/Niterói

Cronologia

1935

Rio de Janeiro RJ – Trabalha no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – SPHAN

1936

Rio de Janeiro RJ – Concebe seu primeiro projeto pessoal, a casa Henrique Xavier

Rio de Janeiro RJ – Integra, a convite de Lucio Costa, a comissão formada para definir os planos da Cidade Universitária e do Ministério da Educação e Saúde, sob supervisão de Le Corbusier, a quem assiste, como desenhista, durante sua estada de três semanas na cidade. É Niemeyer quem apresenta a solução adotada na construção do edifício do Ministério da Educação, baseada no primeiro projeto de Le Corbusier

1937

Rio de Janeiro RJ – Tem seu primeiro projeto de edifício realizado, a Obra do Berço, maternidade e assistência infantil

1939

Nova York (Estados Unidos) – Orienta a realização do Pavilhão Brasileiro na Feira Internacional de Nova York, que projeta com Lucio Costa e Paul Lester Wiener

Nova York (Estados Unidos) – É nomeado cidadão de honra da cidade pelo governador Fiorello La Guardia

Rio de Janeiro RJ – Assume a função de arquiteto-chefe do grupo encarregado da elaboração do edifício do Ministério da Educação

1940

Rio de Janeiro RJ – Abre seu primeiro escritório com seus amigos Affonso Eduardo Reidy (1909 – 1964) e Hélio Uchoa

1940/1941

Rio de Janeiro RJ – É um dos três vencedores do concurso para o Estádio Nacional do Rio de Janeiro

1940/1944

Belo Horizonte MG – Projeta, por encomenda do então prefeito da cidade, Juscelino Kubitscheck (1902 – 1976), o conjunto arquitetônico da Pampulha, que inclui um cassino, um restaurante circular, um clube náutico e a Capela de São Francisco de Assis, com painéis de Candido Portinari (1903 – 1962) e esculturas de Alfredo Ceschiatti (1918 – 1989)

1947

Nova York (Estados Unidos) – É convidado pela ONU a participar da comissão de arquitetos dirigida por Wallace Harrison, encarregada de definir os planos de sua futura sede na cidade. Seu projeto, associado ao de Le Corbusier, é escolhido como base do plano definitivo

Nova York (Estados Unidos) – Passa sete meses na cidade trabalhando nas propostas para o edifício da ONU, como membro do comitê consultivo para a definição de sua sede

1949

Estados Unidos – É nomeado membro honorário da American Academy on Arts and Sciences

1950

Nova York (Estados Unidos) – Stamo Papadaki publica pela editora Reinhold, a primeira monografia dedicada a Oscar Niemeyer. Essa obra é traduzida e publicada em número especial da revista Kokusai Keuchiku, em 1952, no Japão

1953

Berlim (Alemanha) – É convidado a fazer parte de um grupo de 15 arquitetos encarregados de projetar unidades de habitações no bairro de Hansa

1954

Europa – Vai pela primeira vez a esse continente. Visita Lisboa, Berlim, Paris, Varsóvia, Moscou, entre outras cidades

1955

Rio de Janeiro RJ – Funda a revista Módulo

1956/1957

Rio de Janeiro RJ – Recebe convite do então presidente da República, Juscelino Kubitschek, para colaborar na construção da nova capital. Aceita criar os principais edifícios, mas recusa-se a desenvolver o plano urbanístico. Um concurso para a criação do plano piloto de Brasília é então lançado e o projeto de Lucio Costa é o vencedor.

Niemeyer participa, como representante da Novacap (entidade encarregada dos estudos para a elaboração dos planos de construção da nova capital), da comissão de julgamento desse concurso

1958

Brasília DF – É nomeado arquiteto-chefe da nova capital

1958/1960

Brasília DF – Nomeado arquiteto-chefe da nova capital, transfere-se para Brasília

1960

Brasília DF – Recebe do presidente Juscelino Kubitschek a Medalha do Trabalho do Brasil
Rio de Janeiro RJ – Vive nessa cidade

1961

Rio de janeiro RJ – Publica o livro Minha Experiência em Brasília

1962

Trípoli (Líbano) – Executa, a convite do governo libanês, projeto para a Exposição Internacional Permanente de Trípoli, incluindo o pavilhão do Líbano, o museu espacial, o teatro experimental, o museu da habitação e o teatro ao ar livre

Trípoli (Líbano) – Permanece por dois meses na cidade, onde executa, a convite do governo libanês, projeto para a Exposição Internacional Permanente de Trípoli

1963

Brasília DF – Recebe o Prêmio Lênin Internacional da Paz, na UnB

1964

Tel Avive (Israel) – Durante seis meses de permanência, cria vários projetos, entre eles as universidades de Haifa, em Israel, e de Acra em Gana

1965

Paris (França) – Recebe a Medalha Juliot-Curie

Paris (França) – Visita sua exposição no Pavilhão Marsan das Artes Decorativas do Palácio do Louvre

1966

Rio de Janeiro RJ – Publica, pela Civilização Brasileira, o livro Viagens – quase memórias

1967

Paris (França), Portugal, Roma (Itália) e Líbano – Realiza, entre outros, o projeto da sede do Partido Comunista Francês, em Paris

1968

Constantine (Argélia) e Milão (Itália) – Prepara os projetos da Universidade de Constantine e da sede da Editora Mondadori, em Milão

Paris (França) – Recebe prêmio da revista Architecture d’Aujourd’hui

1970

Estados Unidos – Medalha Homenagem do Instituto de Arquitetos Norte-Americanos

1972

Paris (França) – Abre um escritório e, entre outros, inicia projeto da Casa de Cultura em Le Havre

1973

Varsóvia (Polônia) – Recebe a medalha da Academia Polonesa de Arquitetura

1974

Paris (França) – A revista Architecture d’Aujourd’hui dedica um número especial aos seus trabalhos recentes

1975

Milão (Itália) – A editora Mondadori publica o livro autobiográfico Oscar Niemeyer

1980

Brasília DF – Realiza o Memorial Juscelino Kubitschek

Florença (Itália) – Recebe o Prêmio Lorenzo il Magnífico, da Accademia Internazionale Medicea

Paris (França) – É promovido a Chevalier de la Légion d’Honneur e nomeado membro do comitê dos conselheiros artísticos da Unesco

1981

Rio de Janeiro RJ – É editada, inserta na revista Módulo, uma serigrafia de sua autoria, com tiragem de 100 exemplares

1982

França – Recebe a Ordem de Comendador das Artes e Letras e a medalha de ouro da Academia de Arquitetura de Paris

1983

Rio de Janeiro RJ – Projeta a Passarela do Samba, conhecida também como Sambódromo

1985

São Paulo SP – Seu livro Oscar Niemeyer é publicado pela Editora Almed

1986

Petrópolis RJ – Publica Como se Faz Arquitetura, pela Editora Vozes

Rio de Janeiro RJ – Cria o monumento Tortura Nunca Mais, em homenagem aos perseguidos políticos

1987

Saint-Denis (França) – Cria projeto da sede do jornal L’Humanité

1988

São Paulo SP – Cria os planos do Memorial da América Latina

Los Angeles (Estados Unidos) – Recebe The Pritzker Architecture Prize [Prêmio Pritzker de Arquitetura], da The Hyatt Foundation, considerado o “Prêmio Nobel de arquitetura”

1990

Barcelona (Espanha) – O arquiteto Josep Maria Botey publica livro sobre a obra de Niemeyer

Vaticano (Itália) – Recebe do papa João Paulo II o título da Ordem de São Gregório, o Grande

1991

Brasília DF – É condecorado, pelo Ministério das Relações Exteriores, com a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco

Rio de Janeiro RJ – Cria, entre outros, o projeto do Parlamento da América Latina em São Paulo e do MAC/Niterói

1992

Rio de Janeiro RJ – Cria o monumento a Luís Carlos Prestes

Rio de Janeiro RJ – Publica Meu Sósia e Eu, pela Editora Revan

1993

Brasília DF – Torna-se Cidadão Honorário de Brasília

Rio de Janeiro RJ – Publica Conversa de Arquiteto, pela Editora Revan

São Paulo SP – É presidente de honra da 2ª Bienal Internacional de Arquitetura

1994

Rio de Janeiro RJ – É inaugurado no Palácio Gustavo Capanema, o Espaço Niemeyer, com exposição permanente de sua obra

1995

Brasília DF – Recebe a insígnia da Ordem do Mérito Cultural

São Paulo SP e Belo Horizonte MG – Recebe o título de Doutor Honoris Causa da USP e da UEMG

1996

Rio de Janeiro RJ – Projeta, a pedido do Movimento dos trabalhadores Rurais sem Terra – MST, monumento para registrar o assassinato de sem-terras ocorrido em Eldorado dos Carajás, PA

1997

Brasília DF – É homenageado, pelos seus 90 anos, com sessão solene no Congresso Nacional
Cuba – É condecorado com a Ordem do Mérito José Martí, pelo governo da República de Cuba, rompendo a tradição de concedê-lo somente a chefes de estado
Reino Unido – Recebe o Diploma de Honra ao Mérito da Associação dos Arquitetos do Reino Unido

1998

Rio de Janeiro RJ – Publica As Curvas do Tempo – Memórias, pela Editora Revan

Rio de Janeiro RJ – Recebe de uma delegação inglesa a Royal Gold Medal, do Royal Institute of British Architectes

2001

Rio de Janeiro RJ – É eleito o arquiteto do século, pelo Conselho Superior do Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB.

 

 Livros

Osca Niemeyer - De vidro e concreto

OSCAR NIEMEYER – DE VIDRO E CONCRETO
EDIÇAO BILINGUE – PORTUGUES/INGLES
Formato: Livro
Autor: HOLANDA, FREDERICO DE
Editora: FREDERICO HOLANDA.
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - 100 Anos 100 Obras

OSCAR NIEMEYER – 100 ANOS 100 OBRAS
EDIÇAO BILINGUE – PORTUGUES/INGLES
Formato: Livro
Autor: SEGRE, ROBERTO
Autor: OHTAKE, RICARDO
Editora: INSTITUTO TOMIE OHTA
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer e o modernismo de formas livres no Brasil

OSCAR NIEMEYER E O MODERNISMO DE FORMAS LIVRES NO
BRASIL
Formato: Livro
Coleção: FACE NORTE
Autor: UNDERWOOD, DAVID
Editora: COSAC NAIFY
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer Houses

OSCAR NIEMEYER HOUSES
Formato: Livro
Autor: HESS, ALAN
Editora: RIZZOLI (USA)
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer Buildings

OSCAR NIEMEYER BUILDINGS
Formato: Livro
Autor: HESS, ALAN
Fotógrafo: WEINTRAUB, ALAN
Editora: RIZZOLI (USA)
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - Uma arquitetura da seducao

OSCAR NIEMEYER – UMA ARQUITETURA DA SEDUÇAO
EDIÇAO SIMPLES
Formato: Livro
Coleção: EDUCAÇÃO DO OLHAR
Autor: LAGO, ANDRE CORREA DO
Editora: BEI
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer 360 Graus

OSCAR NIEMEYER 360 GRAUS – MINHAS OBRAS FAVORITAS
Formato: Livro
Autor: RANDOLPH, ROGERIO
Autor: LACERDA, LUIZ CLAUDIO
Editora: 360° EDITORA
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer

OSCAR NIEMEYER
Formato: Livro
Coleção: FOLHA EXPLICA
Autor: OHTAKE, RICARDO
Editora: PUBLIFOLHA EDITORA
Assunto: BIOGRAFIAS/AUTOBIOGRAFIAS/DIÁRIOS/MEMÓRIAS/CARTAS

 

Oscar Niemeyer - Curves of irreverence

OSCAR NIEMEYER – CURVES OF IRREVERENCE
Formato: Livro
Autor: PHILIPPOU, STYLIANE
Editora: YALE UNIVERSITY PRES
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer Maisons

OSCAR NIEMEYER MAISONS
Formato: Livro
Autor: HESS, ALAN
Editora: ACTES SUD
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - Special box set

OSCAR NIEMEYER – SPECIAL BOX SET
Formato: Livro
Autor: KIMMELMAN, MICHAEL
Fotógrafo: SALVAING, MATTHIEU
Editora: ASSOULINE USA
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer

OSCAR NIEMEYER
Formato: Livro
Coleção: PERFIS DO RIO
Autor: CORREA, MARCOS SA
Editora: RELUME-DUMARA
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - 1999-2009

OSCAR NIEMEYER – 1999-2009
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: 7 LETRAS
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - Obras y Proyectos

OSCAR NIEMEYER
OBRAS Y PROYECTOS
Formato: Livro
Autor: BOTEY, JOSEP MA.
Editora: GUSTAVO GILI
Assunto: ARQUITETURA

 

Poetica da luz natural na obra de Oscar Niemeyer

POETICA DA LUZ NATURAL NA OBRA DE OSCAR NIEMEYER
Formato: Livro
Autor: BARNABE, PAULO MARCOS MOTTOS
Editora: EDUEL
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - Form and space

OSCAR NIEMEYER – FORM AND SPACE
PORTUGUES / INGLES / JAPONES
Formato: Livro
Autor: FUTAGAWA, YUKIO
Editora: IDEA BOOKS AMSTERDAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Oscar Niemeyer - A marquise e o projeto origina

OSCAR NIEMEYER – A MARQUISE E O PROJETO ORIGINAL
Formato: Livro
Autor: SCHARLACH, CECILIA
Fotógrafo: KON, NELSON
Editora: IMESP
Assunto: ARQUITETURA

 

Colecao Niemeyer - Desenhos originais de oscar niemeyer

COLEÇAO NIEMEYER – DESENHOS ORIGINAIS DE OSCAR
NIEMEYER
Formato: Livro
Organizador: QUEIROZ, RODRIGO
Editora: FUPAM
Assunto: ARQUITETURA

 

A doce revolucao de Oscar Niemeyer

A DOCE REVOLUÇAO DE OSCAR NIEMEYER
Formato: Livro
Fotógrafo: BARRETO, CESAR
Texto/Notas: CAVALCANTI, LAURO
Texto/Notas: ZAPPA, REGINA
Texto/Notas: EL-DAHDAH, FARES
Editora: 19 DESIGN
Assunto: ARQUITETURA – URBANISMO

 

As curvas do tempo - Memorias

AS CURVAS DO TEMPO – MEMORIAS
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: BIOGRAFIAS – ARQUITETURA

 

Cronicas

CRONICAS
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA – CONTOS E CRÔNICAS

 

A forma na arquitetura

FORMA NA ARQUITETURA, A
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Minha experiencia em Brasilia

MINHA EXPERIENCIA EM BRASILIA
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Conversas de arquiteto

 

CONVERSAS DE ARQUITETO
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

My Architecture

MY ARCHITECTURE
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Casas onde more

CASAS ONDE MOREI
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Sem rodeios

SEM RODEIOS
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA

 

Museu de arte contemporanea de Niteroi

MUSEU DE ARTE CONTEMPORANEA DE NITEROI
Formato: Livro
Organizador: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Diante do nada

DIANTE DO NADA
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA – CONTOS E CRÔNICAS

 

?

?
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA – CONTOS E CRÔNICAS

 

Rio - De provincia a metropole

RIO – DE PROVINCIA A METROPOLE
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Meu sosia e eu

MEU SOSIA E EU
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Minha arquitetura

MINHA ARQUITETURA
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Conversa de Amigos - Entre Niemeyer e Sussekind

CONVERSA DE AMIGOS
ENTRE NIEMEYER E SUSSEKIND
Formato: Livro
Autor: SUSSEKIND, JOSE CARLOS
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

E agora

E AGORA?
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: PAZ E TERRA
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA – ROMANCES

 

O ser e a vida

O SER E A VIDA
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: BIOGRAFIAS/AUTOBIOGRAFIAS/DIÁRIOS/MEMÓRIAS/CARTAS

 

Minha arquitetura - 1937-2005

MINHA ARQUITETURA 1937-2005
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: REVAN
Assunto: ARQUITETURA

 

Nosso Caminho V.1

NOSSO CAMINHO, V.1
MAIO 2008
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, VERA
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: 7 LETRAS
Assunto: ARQUITETURA – URBANISMO

 

Nosso Caminho V.2

NOSSO CAMINHO, V.2
Formato: Livro
Autor: NIEMEYER, OSCAR
Editora: 7 LETRAS
Assunto: ARQUITETURA – URBANISMO

 

Videos

No Compasso do Coração – entrevista com Oscar Niemeyer – 2012

O Centro de Educação popular e Pesquisas Econômicas e Sociais (CEPPES) entrevista o Arquiteto Comunista Oscar Niemeyer e rende uma homenagem ao seu centenário nomeando-o seu presidente de honra
 

Oscar Niemeyer completa 103 anos
Oscar Niemeyer dominou as curvas, superou o tempo e, aos 103 anos, ainda surpreende e emociona parentes, amigos e colaboradores. Ele mostrou projetos de centros culturais em Niterói (RJ) e na Espanha.

Compartilhar.

Sobre o autor

O Mercado Arte disponibiliza para os artistas a oportunidade de ter uma página na Web para exibir seus trabalhos e para o público em geral a chance de acessibilidade a um universo artístico criativo que vai muito além do que se apresenta em galerias, museus e sites atualmente.

Os comentários estão fechados.