John Graz

0
“Criar e recriar. Sempre!” John Graz

John Louis Graz foi um pintor, ilustrador, decorador, escultor e artista gráfico. Foi um dos precursores do movimento modernista, junto com Lasar Segall, Anita Malfatti e Victor Brecheret. Além de pintar intensamente, dedicou-se paralelamente à execução de projetos de interiores e decoração de residências paulistanas. No design, a marca do artista foi a integração dos elementos. John Graz concebia o ambiente como um todo: o mesmo conceito estendia-se de painéis pintados a móveis, objetos, iluminação e jardins.

John Graz - Foto artista

John Graz – Foto artista

Sua pintura de então apresentava um paralelismo entre o tratamento de cores do pós-impressionismo tardio e técnico e o desenho preciso e anguloso, de forte apelo gráfico, espelhando sua habilidade de cartazista. Este componente é marcado pelo desenho de angulosidade e precisão da Secessão de Munique, onde ganhara vários prêmios, entre 1910 e 12. Trata-se do elemento moderno e atraente para o ambiente paulistano; quanto a isso escreve Claro Mendes em Papel e Tinta , em junho de 1920: ” John Graz, reputado na Europa pelos seus admiráveis vitrais e pela moderníssima composição de seus quadros é um elemento que a nossa capital devia aproveitar para a definitiva formação de nossa cultura”.

John Graz - Biografia

John Graz nasceu em Genebra em 12 de abril de 1891.

John Graz - Foto artista

John Graz – Foto artista

Entre 1908 e 1911, John Graz freqüenta cursos de arquitetura, decoração e desenho na Escola de Belas Artes, em Genebra, onde é aluno de Eugène Gilliard e Daniel Baud-Bovy. Em seguida, inscreve-se na Escola de Belas Artes de Munique e estuda com o artista gráfico Carl Moos. Em viagem a Paris, conhece o escultor Victor Brecheret.

Em Genebra novamente, em 1913, retorna à Escola de Belas Artes , tendo sido destacado com bolsas de estudo de viagem à Espanha por duas vezes, onde realiza uma série de paisagens, retomando ideais de Cézanne e das quais sete cenas de Toledo seriam expostas na Semana de Arte Moderna.

Em Genebra, desenha vitrais e faz ilustrações para cartazes publicitários. Trava amizade com o escritor Sérgio Milliet e conhece Regina Gomide e seu irmão, Antonio Gomide , colegas na Escola de Belas Artes.
Radicado em São Paulo a partir de maio de 1920, quando veio conhecer a família de sua futura esposa Regina e casar-se, trava relações e integra-se ao grupo modernista de São Paulo, constituído por Oswald e Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, Di Cavalcanti, Menotti Del Picchia, Victor Brecheret, Anita Malfatti e Sérgio Milliet, entre outros. Realiza a sua primeira exposição no país em 1920.
Em 1922, participa da Semana de Arte Moderna com sete telas que revelam a influência clássica dos antigos mestres, em especial os italianos, via Hodler, ao mesmo tempo que apresentam uma latente influência do cubismo na geometrização das formas.

Faz ilustrações para a revista Klaxon, primeiro periódico modernista.

John Graz - Foto artista

John Graz – Foto artista

No decorrer da década de 20 faz visitas freqüentes a Paris, com Regina, freqüentando os artistas brasileiros da primeira geração modernista. Ambos se interessam pelas tendências cubistas e orientais, na arte e decoração, que acabariam por eclodir em 1925 com o estilo Art Déco.

A partir de 1923, executa projetos de decoração de residências: cria inúmeros vitrais e realiza design de móveis e peças como portas, fechaduras, luminárias, tapetes e afrescos. É considerado, com Regina e Antonio Gomide, um dos introdutores do estilo art déco em São Paulo. Trabalha com Gregori Warchavchik , recém-chegado ao país, decorando as casas projetadas pelo arquiteto russo.

Em 1925, Graz apresenta em São Paulo móveis tubulares, feitos de canos metálicos e laminados de madeira, com formas geometrizadas. Dotado de grande conhecimento técnico e fabril, acompanha pessoalmente a produção das peças no Liceu de Artes e Ofícios, onde conta com a colaboração de Federico Oppido. É inovador na decoração de ambientes. Ao projetar os móveis, prevê sua distribuição no espaço e sua relação com painéis, vitrais e afrescos. A integração dos elementos é uma característica das casas decoradas por Graz: a mesma proposta estende-se dos painéis pintados aos móveis, objetos e iluminação. A residência Cunha Bueno (Jardim América) é exemplo do seu pioneirismo: para a decoração, o artista elabora inclusive o desenho geométrico do piso dos jardins. Infelizmente, a incipiência da indústria brasileira impossibilita a transformação dos protótipos de autoria de John Graz em utensílios produzidos em larga escala.

John Graz - Foto artista

John Graz – Foto artista

Em virtude dos trabalhos como decorador, Graz afastou-se da pintura – retornando somente em 1969.Tentou algumas experiências com a abstração geométrica, mas rapidamente retomou a figuração. Mesmo não havendo uma unanimidade entre os críticos em relação ao valor de sua pintura, que carece de emoção, sacrificada em função de valores decorativos. Entretanto, não se pode esquecer sua importância no Modernismo Brasileiro, em especial por ter sido o responsável por levá-lo para dentro das casas, nos objetos de uso cotidiano, segundo o Art Déco.

John Graz falece em São Paulo, em 27 de outubro de 1980.

Curiosidades

John Graz - Floresta tropical - 255 x 155 cm

John Graz – Floresta tropical – 255 x 155 cm

Livro – O Besouro Carira e a História do Morango Gigante
Autor: Ricardo Daunt / John Graz
Editora: Nankin Editorial

Este poema narrativo de Ricardo Daunt é ilustrado pelo artista plástico suíço John Graz. Um livro para crianças de todas as idades.

Livro – John Graz – Vida e Obra
Autor: Cândida Arruda Botelho

Rara edição patrocinada pelo Swiss Bank Corporation da vida e obra de John Graz, importante pintor, designer, decorador.

Depoimentos

“John Graz, reputado na Europa pelos seus admiráveis vitrais e pela moderníssima composição de seus quadros, é um elemento que nossa capital deveria aproveitar para definitiva formação de nossa cultura.”
Claro Mendes, Papel e Tinta – Junho de 1920

“… e este maravilhoso John Graz, ultimamente revelado, afirmou que a nossa terra contém no seu ignirado cadinho, uma das mais fortes, expressivas e orgulhosas gerações de supremos criadores.”
Oswald de Andrade, Discurso do Trianon – 1922

Críticas

“Experiências de abstracionismo, com algumas construções geométricas, ou puramente informal, com a procura da matéria rica, densa, trabalhada. Bem cedo, porém, iria John Graz convencer-se de que esse gênero de pintura não se casava a sua índole pessoal, não correspondia aos seus anseios mais íntimos e profundos. É o próprio pintor quem nos diz que adora o que é vivo, o que respira e se movimenta. O seu caminho, portanto, é o do figurativismo, melhor, do figurativismo narrativo. Aqui é onde sua paleta se expande e não raro esplende. Como na excelente série de flagrantes de feira de São Joaquim, no Recife, com seus mercadores bizarros, o vendedor de pássaros, a graciosa moça da barraca de cesto, colocada no centro da tela, em elegante postura, entre faceira e arrogante; ou ainda a quadra de raparigas, tendo a Igreja Colonial por pano de fundo; como também a praça festiva, de colorido profundo e vivaz, que respira alegria, com seus balões de gás, tão bem integrados na multidão urbana. E muitas outras, de acento local, traduzindo com felicidade a ambiência, a atmosfera tropical”.
Paulo Mendes de Almeida

John Graz - Magia - 165 x 65 cm

John Graz – Magia – 165 x 65 cm

“Deverei confessar uma surpresa diante dos últimos quadros de John Graz. O artista entregou-se a total diversificação da temática, numa inteira liberdade de opções, que, parece-me nunca atingira. Estamos mesmo diante de um múltiplo repertório que é o que primeiramente causa impacto, pois dá o artista aos seus temas uma primazia inteira, tanto na captação do espaço e sua visualização dentro da tela, como na libérrima colocação, nesses retângulos, de figuras e coisas. Não que a pintura pouco conte, nestas alturas do tempo, para Graz. Ele efetivamente tem a sua palheta e esta é a sua marca, pela tonalidade expressa, toda feita de tons baixos. Assim, quando registra a natureza, a paisagem, a fauna, terras e objetos, condiciona-os a uma luz que não faz concessão alguma aos tropicalismos. Ao contrário, numa contenção vigilante, natural nele, o pintor se limita a prestar uma homenagem ao espetáculo cambiante da terra, da fauna e da flora, sem ceder um milímetro ao colorido. Seu verde é dele mesmo, como os seus terras, os seus vermelhos, os seus azuis. (…)”
Geraldo Ferraz

“Todos os quadros apresentados por John Graz na exposição do Municipal tinham sido realizados ainda na Europa, em Geneve, sendo dois dentre eles (Paisagem na Espanha) feitos no decorrer de sua bolsa de estudos . Uma certa transfiguração hodierna transparece em suas telas Retrato do Ministro Gomide e, de maneira mais incisiva, Paisagem Suíça, onde é bem evidente o esquema de composição baseado em linhas paralelas horizontais. Uma forte estruturação está presente nas duas paisagens espanholas, sobretudo naquela que focaliza a ponte de Honda, onde a preocupação tectônica se casa com uma sensível alteração cromática, que ganha em dramaticidade. Indiscutivelmente, ao lado de Anita Malfatti, qualitativamente John Graz se colocava, nesta exposição, juntamente com Vicente do Rego Monteiro, como um dos pintores mais interessantes da Semana de Arte Moderna”.
Aracy Amaral

Entrevista com Annie Graz

Por Célia Gambini e Vânya Tsutsui

Annie Graz nasceu em 1921, na cidade de Toul, no leste da França, e veio para o Brasil alguns anos depois da Segunda Guerra, acompanhada do marido e de dois filhos e “meio”.

Na loja de seu primeiro marido conheceu o casal Regina Gomide e John Graz. Naquela época, não imaginava que, anos mais tarde, iria se tornar a segunda esposa de John. Depois de se divorciar do primeiro marido e da morte de Regina Gomide, eles se encontraram por acaso. Começava ali uma história de amor, que se iniciou em 1974 e durou até a morte do artista plástico. Após ficar viúva, Annie dedicou-se à organização e conservação da obra do artista, que atualmente pode ser consultada na página do Instituto.

Quando você veio ao Brasil?

Eu vim para o Brasil em 1947, depois da guerra, com dois filhos e “meio” (risos). Meu primeiro marido era engenheiro francês e veio para tratar dos negócios da família, uma loja muito conhecida na época, “Casa Michel”, que ficava na esquina da Rua 15 de novembro com a Rua da Quitanda e importava objetos de arte, relógios, coisas assim. Viemos para passar um ano, só que ainda estamos aqui.

John Graz - Geométrico - 80 x 80 cm

John Graz – Geométrico – 80 x 80 cm

A senhora sempre viveu em São Paulo?

Já viajei pelo Brasil, mas morei sempre em São Paulo. Aliás, São Paulo foi tão gostoso antigamente. Como era bom quando a gente podia circular. Agora você tem que calcular a hora em que vai a algum lugar e geralmente fica no seu bairro. Às vezes, você faz compras perto de casa, somente para facilitar a vida.

Como a senhora conheceu John Graz?

Quando cheguei aqui e as crianças podiam ficar com a babá o dia todo, eu comecei a ir até a loja e a gente montava os abajures para os vasos. Quem fazia esses abajures era a Regina [Gomide], a primeira esposa do John, que além da tapeçaria – ela havia deixado a tapeçaria – fazia abajures. Então, conheci a Regina e depois tivemos amigos franceses comuns. Meu marido e eu encontrávamos John e Regina na casa de amigos.

O que me interessava muito era a arte do John, mas nessa época ele tinha abandonado a pintura, porque não dava para sobreviver. O tempo foi passando e depois que a Regina faleceu encontrei o John num jantar de uma tia do meu ex-marido (eu já era divorciada). Ela convidou o John também, porque era amiga de infância da irmã dele, eram da mesma escola, na Suíça. E lá encontrei o John, que me convidou para ir ao ateliê ver as obras dele e a gente começou a sair juntos.

Quando foi isso?

Em 1974. Nós casamos no fim de 74, lá na Suíça, e depois fizemos o casamento aqui.

Em que ano ele chegou no Brasil?

Em 1920.

E veio por causa da Regina?

Ele veio para casar com a Regina, que tinha conhecido junto com o irmão dela, o Gomide, na Escola de Belas Artes, em Genève. Na época, toda a família Gomide estava lá. Então o John ficou noivo e veio casar aqui, sem saber se ia ficar ou não. E participou da semana de 22.

E como era a relação de amizade do John com os modernistas?

A maior amizade foi com o Brecheret, que foi padrinho de casamento deles. Os outros ele conhecia, encontrava, mas a colaboração artística era com o Brecheret.

Como o John era?

A pessoa mais cativante do mundo. Uma pessoa educadíssima, culta, generosa, agradável, bem-humorada, sensível. Uma pessoa com a qual era um prazer conviver. E a vida com ele infelizmente durou poucos anos.

John Graz - Baianas - 99 x 169 cm

John Graz – Baianas – 99 x 169 cm

Quando ele faleceu?

Em 80. Nós casamos em 74. Foi um encontro mesmo especial, era uma coisa maravilhosa, porque a gente concordava em tudo. Qualquer objeto que íamos escolher numa loja, a gente podia andar separado, que, depois, a gente se encontrava no mesmo lugar. A gente gostava das mesmas coisas. E eu admirava muito o John.

Ele costumava voltar para a Suíça?

No começo, voltava pouco, por falta de dinheiro. Depois, foi a guerra. A Regina não fazia muita questão dele voltar para a Suíça, pois tinha medo que ele quisesse ficar por lá. Mas ele sempre foi ver a irmã e depois que casamos, íamos todos os anos. Inclusive da Suíça, fizemos exposições que foram para a Itália, Grécia, Marrocos, França. Ele escrevia toda semana para a irmã dele. Como a irmã o chamava de ‘gato’ (em francês “mon chat”), comecei a chamá-lo de ‘gato’ e a família, até o meu neto, falava: “Gato! Gato!”.

Uma vez, um dos meus netos, que tinha um chapéu de Mickey Mouse – o John já tinha 84 ou 85 anos, numa casa da Joaquim Antunes, com uma escada – estava com o chapéu e falava: “Vem, gato, acho que você não vai me pegar”. E ele subia a escada e ia correndo atrás.

A maioria da coleção dele está com você?

Todo o acervo está comigo.

Você conseguiu organizar tudo?

Consegui (risos). Depois que o John faleceu, comecei a me mexer para organizar o acervo, porque ele adorava ordem, mas não queria fazer e não deixava ninguém organizar. Então, estava tudo jogado no armário.

Mas ele tinha anotações?

Poucas. Eu levei quase 20 anos para organizar tudo. Primeiro, quando eu tive que sair da casa onde morávamos. Então, eu aluguei escritórios fora. Mas nunca estava tranquila, não era o ambiente necessário. Aí eu vim parar aqui.

John Graz - Estudos

John Graz – Estudos

Foi aí que conseguiu?

Consegui, mas ainda não está arrumado de maneira museológica, como eu queria. Mas tem uma moça agora, que é professora de arte e está fazendo mestrado e doutorado sobre o John. Todo o material está aqui, ela vem e, ao mesmo tempo, trabalha para o instituto fazendo a catalogação. Então, já está sendo preparado, para o dia em que a gente mudar daqui.

E quanto à conservação?

Eu consegui e nossos curadores estão admirados. O que não está conservado, é porque não estava antes. Há uma grande parte de restauro para fazer, mas que será feita com patrocínio, logicamente. Mas não é que estragou aqui, é porque estava jogado. Porque o John não se preocupava nunca com o que tinha sido feito, sempre com o que viria a fazer. Ainda no hospital, antes de falecer, ele falava: “Acho que quando a gente voltar para casa, eu vou procurar uma fase que seja um pouco entre o abstrato e o figurativo”.

Ele tinha projetos?

Tinha projetos, sim. Ele disse: “Você sabe de uma coisa? Eu vou voltar um pouco para a escultura”. Estava sempre indo para frente e nunca se queixou de tudo que sumiu da arte dele. Porque sumiu, todas as casas da época, onde ele fez instalações, foram demolidas para ser substituídas por arranha-céus. Tem gente que morava em casas grandes e foi para um apartamento menor. Nem todo mundo guardou as coisas, porque não cabia mais. Então, sumiu, e ele nunca se queixou. Na avenida Paulista, há muitas casas que sumiram.

E como foi a relação dele com a Suíça?

Ele foi sempre bem suíço. Mas sentia falta de um pouquinho qualquer de manifestação da Suíça.

Mas, em contrapartida, os brasileiros o reconheceram muito.
Sim, os brasileiros, sim. Ele foi reconhecido, faz parte dos manuais de história da arte, de estudantes, como essa professora que está fazendo a tese sobre o John. O Brasil o reconheceu.

E como era a relação dele com o Brasil?

Adorava, só era contra os deputados. A obra dele explodiu no Brasil. Ele tinha a cor do Brasil, gostava dos índios, da arte brasileira, do artesanato brasileiro, tudo o que é bem brasileiro. Aliás, ele não podia pintar fora daqui. Ele fazia qualquer viagem, ele anotava, tirava fotografia, mas para pintar era aqui. Tinham dois países que o inspiravam muito. A Espanha, para onde ele foi antes de vir ao Brasil, porque ganhou uma bolsa para estudantes. Na Pinacoteca tinha um quadro da Semana de 22, que ele pintou na Espanha. E o Brasil, tudo o que era natureza brasileira.

John Graz - Projeto de Vitral - 30,5 x 22,5 cm

John Graz – Projeto de Vitral – 30,5 x 22,5 cm

Quais foram as influências estéticas dele?

A obra dele é uma só, mas se divide em duas: a parte do design e a do artista plástico. Na arte plástica, no começo ele recebeu muita influência dos mestres suíços da sua escola, como Eduardo Ravel, que era tio do Maurice Ravel. E o tio falava assim do sobrinho: “Eu tinha um sobrinho, Maurice, que fez uma música” (risos). Ele adorava o Bolero. E transpunha as cenas da passagem heróica da Suíça na história dos bandeirantes daqui. Foi essa influência. Depois, ele gostava muito do Cézanne. No design, que eu me lembro foi o art-deco, porque não tinha ninguém fazendo art-deco ainda e não tinha nenhum catálogo, ninguém ia para a Europa nessa época. Aqui ele foi o precursor do art-deco.

Ele tinha também uma influência do Bauhaus?

Claro que tudo isso é da formação dele.

Esse lado multidisciplinar, de passar por tantas linguagens, tem a ver com essa preferência, não?

Exatamente. Especialmente vindo depois do art nouveau. Porque eu sou da cidade do art nouveau, a 20 km de Nancy, onde fica o museu de art nouveau. Sei que do ponto de vista artístico é muito bom, do ponto de vista exterior, tudo isso é muito interessante. Os móveis, eu não queria isso por nada no mundo na minha casa, mas artisticamente é bonito. Acho que não se pode comparar um pintor com outro, mas o que diferencia John dos outros é o fato de ele ser multidisciplinar. Você sente na própria obra do pintor o subjetivismo dele, sente que o artista plástico e o designer se misturam. São duas coisas separadas, mas uma pessoa só.

Mas ao mesmo tempo ele não perdeu o estilo…
Depois que ele lançou o art-deco no Brasil, virou moda, todo mundo queria e depois acabou. Até na construção: faz uma loja, muda, quebra tudo, começa de novo e volta à mesma coisa. Bom, também esse é o único jeito dos fabricantes ganharem dinheiro. Ele trabalhou muito com o Liceu de Artes e Ofícios.

O Brecheret trabalhava lá, tinha um ateliê no Liceu.
É verdade. Mas o John desenhava tudo, as fechaduras, os banheiros, ele estudava tudo. Agora, depois dos anos 40, veio a moda do estilo aqui e ele teve que fazer estilo para vender. Mas até o estilo é diferente, tem a marca dele também. Porque o estilo dele, que seja Luis XV, Luis XVI, é muito mais puro. Mas essa parte é muito importante, porque ele fez também. É isso que a gente esquece geralmente. Aquela professora, por exemplo, para a tese de doutorado, o livro que a gente espera produzir também terá essa parte, porque isso é a obra dele.

A gente gosta mais de uma coisa ou de outra, mas não é a obra toda.

E essa fase talvez não seja tão conhecida?

Não, porque acontece que quando um crítico vem fazer alguma coisa, em vez de vir aqui procurar, pega o que já foi editado, então, saem os mesmos quadros, tudo igual. Não procuram, entende? Se não é um estudioso, que quer saber a obra a fundo, quando é para fazer um artigo, uma crítica, é muito mais fácil pegar um livro qualquer.

John Graz - Vasos de Flores - 90 x 66 cm

John Graz – Vasos de Flores – 90 x 66 cm

De onde é essa pessoa que está fazendo a pesquisa?

Ela é da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo). Então, o livro vai ser sobre essa parte de design. Ele foi arquiteto de interior, tinha um diploma de arquiteto da Escola de Belas Artes. Ele foi designer, foi artista plástico, foi decorador. Então, é muito complexa a obra dele, muito rica.

E o Instituto, como é que está? Vocês agora fizeram o site?

A parte administrativa do Instituto está com a Claudia, minha neta. O site já existe para quem quiser navegar. Meu grande trabalho agora é tirar do mercado tudo o que é cópia. Cada vez que vem o nome, vem copista. Outro dia, o Marcel me chamou, porque tinha alguém que queria lhe vender 102 desenhos. Achei que muita coisa na mão de uma mesma pessoa. Era alguém do Rio, que mandou o material por disquete e era tão ridículo, porque não tinha nada a ver com assuntos que o John podia ter tratado. Geralmente, quem copia, apenas tenta fazer algo parecido, mas não era nada. E o pior é que a pessoa ficou zangadíssima porque eu não quis comprar. E tem muita gente que vem às galerias, porque agora o Instituto criou o conselho de autenticidade. Então, os que sabem vêm nos procurar e o curador do instituto, que trabalha comigo há 20 anos, reconhece ou não se é autêntico. Já tirei obra também de leilão.

Quando surgiu a idéia de criar o Instituto John Graz?

Sempre foi meu sonho, mas sozinha eu não tinha nenhuma possibilidade, nem material, nem física. Eu tenho a sorte de ter uma neta que montou um Instituto Cultural. Apesar de ter feito uma faculdade de Relações Internacionais, o que interessa a ela é a cultura. Ela trabalha no Brasil também há algum tempo. Trabalhou com a Mônica Serra, até que montou o próprio instituto e trabalha muito para o Sesc. Então, era o lugar certo, porque assim eu fiz a doação de tudo para o instituto e sei que vai ficar na mão de alguém.

A família do John aqui se interessa muito, mas lá na Suíça não sabem nada da obra dele. Os que vêm aqui para me ver, conhecem porque eu mostro, mas, depois de mim.

Meus outros filhos gostam, mas todos trabalham e têm outras coisas a fazer. Porque eu precisava de dedicação total e minha sorte foi a Claudia.

Como ficou a sua história da França e o Brasil?

Quando estou na França, tenho saudades do Brasil, quando estou no Brasil, fico com saudades da França.

Mas você se sente brasileira também?

Certamente, eu me sinto brasileira também. Vivi a maior parte da minha vida entre os brasileiros. Eu me sinto mais em casa aqui.

John Graz - Índios

John Graz – Índios

A senhora costuma voltar para a França?

Voltei pela última vez esse ano. Não vou mais, porque eu quero ser enterrada junto com o John. Eu vou me sentir mais isolada lá, porque prefiro ficar onde estão minhas filhas, mas está ficando um pouco cansativo. Então, resolvi que agora não vou mais. Eu me dedico inteiramente ao Instituto até o fim. Senão, eu amo o Brasil, eu defendo o Brasil com unhas e dentes.

Acha que o Brasil, para vocês dois, também ajudou a curar um pouco as feridas de guerra? Havia essa idéia de uma terra nova, um lugar novo, que era possível ter um sonho?

Quando eu vim, eu já tinha esquecido a guerra. Eu já estava bem acostumada, nunca foi difícil me acostumar com o Brasil. Ainda mais que eu estava saindo de uma época de guerras, de privações, de quase morrer de fome. Então, qualquer coisa me parecia boa e o Brasil era tão fácil, tão acolhedor, tão gostoso, nessa época, não tinha todos os problemas de agora. Eu me apaixonei, nunca pretendi voltar. Eu sempre vi o lado bom. Finalmente, no mundo inteiro, nada é perfeito. É preciso saber olhar o que é bom.

Sobre o Instituto John Graz 

Trata-se de uma instituição sem fins lucrativos fundada em 2005 com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento cultural e a integração entre as áreas de artes plásticas e o design, ampliando sua discussão dentro da contemporaneidade. O foco é a preservação, estudo e difusão da obra do artista em suas influências estéticas e nas suas relações com a sociedade brasileira. O Instituto acredita que, por meio da consolidação da obra do artista, contribuirá para os desdobramentos destas atividades, incentivando a reflexão sobre os limites entre arte e design.

 

Exposições Individuais

1920

Lausanne (Suíça) – Individual, na Sociedade de Arquitetos Pintores e Escultores de Lausanne

1969

São Paulo SP – Individual, na Galeria Opus

1970

São Paulo SP – Individual, na Galeria Opus

São Paulo SP – John Graz. Retrospectiva, no MAB/Faap

1971

Santos SP – Individual, no CCBEU

1974

São Paulo SP – Individual, na Documenta Galeria de Arte

São Paulo SP – John Graz: retrospectiva, no Masp

1975

Santos SP – Individual, no CCBEU

1976

São Paulo SP – Individual, na Azulão Galeria

São Paulo SP – John Graz: obras selecionadas, na Camargo Arte

1978

São Paulo SP – Individual, na Galeria de Arte Portal

1979

Londrina PR – Individual, na Galeria Via Duomo

1980

São Paulo SP – Individual, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1920

Rio de Janeiro RJ – 27ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba

São Paulo SP – Regina Gomide Graz e John Graz, no Salão do Cinema Central

1922

São Paulo SP – Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal

1931

Rio de Janeiro RJ – Exposição na Primeira Casa Modernista do Rio de Janeiro, na Rua Toneleros

Rio de Janeiro RJ – Salão Revolucionário, na Enba

1933

São Paulo SP – 1ª Exposição de Arte Moderna da SPAM

1942

São Paulo SP – 7º Salão do Sindicato dos Artistas Plásticos, na Galeria Prestes Maia

1947

São Paulo SP – John Graz e Antonio Gomide, na Rua Barão de Itapetininga

1971

São Paulo SP – 11ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1972

São Paulo SP – A Semana de 22: antecedentes e conseqüências, no Masp

São Paulo SP – Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio

1974

São Paulo SP – Tempo dos Modernistas, no Masp

1975

São Paulo SP – O Modernismo de 1917 a 1930, no Museu Lasar Segall

São Paulo SP – O Terceiro Ciclo de Pintura Brasileira, no Museu Lasar Segall

São Paulo SP – SPAM e CAM, no Museu Lasar Segall

1976

São Paulo SP – A Família Graz-Gomide: o art-deco no Brasil, no Museu Lasar Segall

São Paulo SP – Bienal Nacional 76, na Fundação Bienal

São Paulo SP – Os Salões: da Família Artística Paulista, de Maio e do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo, no Museu Lasar Segall

1977

São Paulo SP – Brasil Arte 1922/77, na Galeria de Arte Portal

Cronologia

ca.1908/1911

É aluno de Eugène Gilliard, Gabriel Vernet e Daniel Baud-Bovy, no curso de arquitetura, decoração e desenho da Escola de Belas Artes de Genebra

1911/1913

Estuda na Escola de Belas Artes de Munique (Alemanha), onde aprende desenho publicitário com Moss

1913/1915

Estuda na Escola de Belas Artes de Genebra; recebe por duas vezes bolsa Lissignol para estudar na Espanha

1920

Chega ao Brasil e passa a aviver em São Paulo, atraído por comentários de Sérgio Milliet e Regina Gomide

1922

Faz ilustrações para a revista Klaxon em São Paulo

Participa da Semana de Arte Moderna

1923

Passa a fazer decorações para os projetos do arquiteto Gregory Warchavchic

1924

Realiza capas e vinhetas para o livro Domingo dos Séculos de Rubens Borba de Moraes

1925/1960

Realiza inúmeros projetos de arquitetura de interiores para as famílias de Roberto Simonsen, família Leirner, Jafet, Caio Prado, Lunardelli, entre outros

1930

Realiza a decoração do cônsul da Suécia no Brasil, Realizou afgrescos, projetou jardins, pisos, murais, estofados e luminárias

1932

Sócio-fundador da SPAM ao lado de outros artistas

1934/1940

Participa do Grupo 7, com Victor Brecheret, Elisabeth Nobiling, Yolanda Mohalyi, Rino Levi, Regina Gomide e Antonio Gomide

1945

Executa um vitral para o Hospital do Menino Jesus

1977

Viaja para as Ilhas Gregas e Veneza (Itália). Realiza dezenas de croquis que mais tarde transforma em telas, com óleos e guaches

1978

Viaja para a Espanha, conhece Sevilha e Granada

1979

Condecorado pelo Governador de São Paulo Dr. Paulo Egydio Martins com a Medalha Mário de Andrade

Livros

O besouro carira e a historia do morango gigante

O BESOURO CARIRA E A HISTORIA DO MORANGO GIGANTE
Formato: Livro
Autor: DAUNT, RICARDO
Autor: GRAZ, JOHN
Idioma: PORTUGUES
Editora: NANKIN EDITORIAL
Assunto: INFANTO-JUVENIS – POESIA

Compartilhar.

Sobre o autor

Mercado Arte

O Mercado Arte disponibiliza para os artistas a oportunidade de ter uma página na Web para exibir seus trabalhos e para o público em geral a chance de acessibilidade a um universo artístico criativo que vai muito além do que se apresenta em galerias, museus e sites atualmente.

Os comentários estão fechados.